Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.
VOLTAR
FECHAR

Rua Jornal NH, 99 - Bairro Ideal - Novo Hamburgo/RS - CEP: 93334-350
Fones: (51) 3065.4000 (51) 3594.0444 - Fax: (51) 3594.0448

PUBLICIDADE
Osvino Toillier

Tempos turbulentos - 1

Leia artigo de Osvino Toillier
14/04/2018 07:00

Osvino Toillier Osvino Toillier é mestre em Educação e vice-presidente do Sinepe/RS

Este é um tempo estranho, em que ter opinião é perigoso, porque somos julgados pelas nossas palavras, como se fôssemos aliados deste ou daquele partido. Eu queria não ser identificado com um lado, mas ter a chance de poder refletir sobre as circunstâncias que estamos vivendo, com os desdobramentos das investigações sobre os acontecimentos do dia a dia.

Acordar diariamente com informações de desdobramentos de mais uma ação da Polícia Federal é muito ruim para a gente. Parece que a corrupção não tem fim, porque, a cada novo dia, descobrem-se falcatruas ou procedimentos inaceitáveis, porque configuram atos ilícitos e corrupção em todos os níveis da gestão pública ou privada.

Além disto, convivemos com a espetacularização dos acontecimentos mais vergonhosos na gestão pública, tentando-se fazer crer que os fatos não são bem assim, cabendo a advogados provarem a inocência do acusado.

Eu, sinceramente, tenho saudade do tempo em que se vivia a vida com trabalho honesto, dedicado, sofrido até, mas feliz, porque se fazia o que era certo, e tinha-se vida digna e correta, tanto no plano pessoal quanto familiar ou comunitário.

A única orientação de casa é que não se poderia fazer o que era incorreto, inaceitável perante o código de honra dos pais e da sociedade. Recorrer à Justiça era muito raro, porque os princípios não permitiam que se chegasse até lá. Não havia necessidade de um batalhão de polícia, porque o cidadão sabia quais eram suas obrigações e direitos.

Não se trata de educação repressora, mas ordeira, de princípios, normas que balizam as sociedades civilizadas, como éramos, e não como hoje, quando a insegurança nos impede de circular livremente, tanto nos grandes centros urbanos quanto no mais remoto interior.


Jornal NH
PUBLICIDADE

WEBTV

PUBLICIDADE
Capa do dia

FOLHEIE O SEU JORNAL PREFERIDO NA TELA DO SEU COMPUTADOR.

ACESSE ASSINE AGORA
51 3600.3636
CENTRAL DO ASSINANTE

51 3591.2020
CENTRAL DE VENDAS DE ASSINATURAS