Olá leitor, tudo bem?

Use os í­cones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, ví­deos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.
VOLTAR
FECHAR

Rua Jornal NH, 99 - Bairro Ideal - Novo Hamburgo/RS - CEP: 93334-350
Fones: (51) 3065.4000 (51) 3594.0444 - Fax: (51) 3594.0448

PUBLICIDADE
Mundo

Puigdemont desiste de ser presidente catalão e nomeia sucessor

Anúncio foi feito nesta quinta-feira (10); Puigdemont nomeou Quim Torra
10/05/2018 16:57 10/05/2018 17:12

Jordi Bedmar/Generalitat de Catalunya/AFP
Presidente da Catalunha, Carles Puigdemont, decretou independência da região no dia 27 de outubro
O líder separatista da Catalunha Carles Puigdemont anunciou nesta quinta-feira (10), na Alemanha, que desistiu de ser o presidente da região e nomeou um novato na política, Quim Torra, candidato à sua sucessão.

"Nosso grupo propõe o camarada deputado (catalão) Quim Torra para a presidência da Generalitat" da Catalunha, uma região rica do nordeste da Espanha, disse Puigdemont em um vídeo gravado na Alemanha para nomear como sucessor este editor de 55 anos sem experiência na política, mas muito envolvido no movimento separatista.

O grupo parlamentar de Puigdemont, o Juntos pela Catalunha, o havia proposto no sábado passado como candidato à Presidência, mas o executivo central de Mariano Rajoy conseguiu bloquear a posse ao recorrer na Justiça de uma reforma legal aprovada na Catalunha para permitir um governo à distância.

Com sua renúncia, o líder separatista, suspenso da Presidência regional por Rajoy após a frustrada declaração de independência do final de outubro, quer desbloquear a formação e um governo na Catalunha e terminar com seis meses de controle da região por parte de Madri.

Após seis meses de paralisia política, a rica região nordeste estava em risco de celebrar novas eleições se não fosse empossado um novo presidente em 22 de maio.

Os defensores da separação obtiveram maioria absoluta do Parlamento catalão nas eleições de dezembro, mas suas tentativas de empossar um presidente foram bloqueadas pela Justiça.

Em janeiro, o Tribunal Constitucional proibiu Puigdemont de ser empossado à distância da Bélgica, onde havia se instalado após a tentativa frustrada de secessão.

E seus dois companheiros do Juntos pela Catalunha nomeados posteriormente, Jordi Sánchez e Jordi Turull, não receberam permissão judicial para deixar a penitenciária onde cumprem prisão preventiva acusados, assim como Puigdemont, de rebelião.

"Ficou claro diante do mundo a intolerância e a falta de respeito do Estado com a vontade dos cidadãos da Catalunha", disse Puigdemont em seu discurso, no qual incentivou o próximo executivo regional a construir um país independente.

A sessão de posse de Quim Torra deve ser celebrada no começo da semana que vem. O candidato conta a princípio com maioria para ser empossado graças ao apoio do Juntos pela Catalunha e o outro grande partido independentista, o Esquerda Republicana.



Jornal NH
PUBLICIDADE

WEBTV

PUBLICIDADE
Capa do dia

FOLHEIE O SEU JORNAL PREFERIDO NA TELA DO SEU COMPUTADOR.

ACESSE ASSINE AGORA
51 3600.3636
CENTRAL DO ASSINANTE

51 3591.2020
CENTRAL DE VENDAS DE ASSINATURAS