Olá leitor, tudo bem?

Use os í­cones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, ví­deos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.
VOLTAR
FECHAR

Rua Jornal NH, 99 - Bairro Ideal - Novo Hamburgo/RS - CEP: 93334-350
Fones: (51) 3065.4000 (51) 3594.0444 - Fax: (51) 3594.0448

PUBLICIDADE
Patrícia Spindler

Maternidade reinventada

Leia artigo de Patrícia Spindler
14/05/2018 08:00

Patrícia Spindler, setembro de 2016 Patrícia Spindler é psicóloga

A maternidade é uma das grandes experiências que uma mulher pode ter na vida. Ou também pode ser uma prática afetuosa, mas que não mexe com as entranhas do ser. Mas quando mexe, mexe! Já contei, neste mesmo espaço, que, quando nasceu meu filho, eu descasquei, literalmente, desabrochei. Minha pele escamou numa sequência de dias até que me dei conta do tamanho da transformação que estava começando a acontecer. Achava que a gestação já tinha promovido todas as mudanças possíveis com meu corpo e minha subjetividade, mas não. Era só o começo.

A maternidade vem se construindo mais ou menos assim na minha vida. Se confundindo muito com a capacidade de ser generosa. O exercício de abrir mão, de coração também aberto, é ampliar a generosidade sem esperar retornos ou garantias. Um altruísmo, nem sempre fácil, que não se constrói sozinha, mas com a rede que sustenta os cuidados de uma criança (pai, avós, tios, primos, amigos, professores e profissionais de saúde). Doar-se é sinônimo desta condição. Ser generosa a ponto de gestar um outro ser, de ser uma ponte, uma passagem. Emprestar seu corpo, fazer dele uma ferramenta para esculpir outra pessoa parecida, mas diferente.


Tudo já se falou sobre ser mãe. Para além de todos os clichês e da ideia romantizada tão difícil de ser desconstruída (a mãe como ser supremo), percebo que a maternidade é uma possibilidade de amadurecer e de se tornar alguém melhor no mundo. Um filho pode fazer isto com a gente (sejamos mãe ou pai desde que comprometidos com o amor e cuidados). Amar, educar, amparar, renunciar, exigir, compartilhar, ser exemplo e tantos outros prazeres e tarefas fazem parte das diferentes maneiras de ser mãe na vida equilibrista que a maioria das mulheres leva atualmente. Não há como criar um filho sem passar, em maior ou menor grau, por um movimento de transformação. Que a maternidade nos reinvente todos os dias!


Jornal NH
PUBLICIDADE

WEBTV

PUBLICIDADE
Capa do dia

FOLHEIE O SEU JORNAL PREFERIDO NA TELA DO SEU COMPUTADOR.

ACESSE ASSINE AGORA
51 3600.3636
CENTRAL DO ASSINANTE

51 3591.2020
CENTRAL DE VENDAS DE ASSINATURAS