Olá leitor, tudo bem?

Use os í­cones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, ví­deos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.
VOLTAR
FECHAR

Rua Jornal NH, 99 - Bairro Ideal - Novo Hamburgo/RS - CEP: 93334-350
Fones: (51) 3065.4000 (51) 3594.0444 - Fax: (51) 3594.0448

PUBLICIDADE
Rio de Janeiro

Investigação do assassinato de Marielle está perto do fim, garante Jungmann

O ministro da Segurança Pública também confirmou que um vereador está sendo investigado
10/05/2018 20:47 10/05/2018 22:06

PSOL/PSOL/Divulgação
Vereadora Marielle
A investigação do assassinato no Rio de Janeiro da vereadora e ativista Marielle Franco está a ponto de ser concluída, informou nesta quinta-feira (10) o ministro da Segurança Pública, quase dois meses depois de ocorrido no crime que comoveu o País.

A investigação do caso Marielle "está chegando à etapa final. Eu acredito que, em breve, vamos ter resultados", afirmou o ministro Raul Jungmann à imprensa.

Ele também confirmou que o vereador apontado por uma testemunha na semana passada está no radar das autoridades. "O que posso dizer é que esses e outros são investigados", acrescentou.

Marielle era uma ferrenha crítica da violência policial e das execuções extrajudiciais nas comunidades. Sua figura como porta-voz das minorias, em particular das mulheres negras e da comunidade LGBT, estava em pleno crescimento após ter se tornado a quinta vereadora mais votada do Rio.

No mês passado, o ministro da Segurança, Raul Jungmann, já havia adiantado que as milícias eram as principais suspeitas do assassinato.

Na quarta-feira, o jornal O Globo publicou as declarações de uma suposta testemunha que apontou um vereador e um membro das milícias como responsáveis pela execução.

Segundo a testemunha, que pediu proteção, o vereador Marcello Siciliano e o ex-policial Orlando Oliveira de Araújo, atualmente preso, teriam ficado irritados com as ações de Marielle Franco na Zona Oeste do Rio, onde o primeiro tem interesses eleitorais e o segundo comandava uma milícia.

Siciliano negou as acusações na quarta, afirmando à imprensa que estava "sendo massacrado nas redes sociais".

A polícia tem sido questionada pela falta de resultados nas investigações.

Nesta quinta-feira (10) foi realizada uma reconstituição da cena do assassinato de Marielle e Anderson, que morreram em consequência dos 13 disparos efetuados de um carro emparelhado a apenas dois metros de distância.

"Durante a reprodução poderão ser disparados tiros em pontos específicos para análise da perícia. Por esse motivo, toda a área será bloqueada para o acesso de pedestres e veículos", anunciou a polícia em comunicado.


Jornal NH
PUBLICIDADE

WEBTV

PUBLICIDADE
Capa do dia

FOLHEIE O SEU JORNAL PREFERIDO NA TELA DO SEU COMPUTADOR.

ACESSE ASSINE AGORA
51 3600.3636
CENTRAL DO ASSINANTE

51 3591.2020
CENTRAL DE VENDAS DE ASSINATURAS