Olá leitor, tudo bem?

Use os í­cones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, ví­deos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.
VOLTAR
FECHAR

Rua Jornal NH, 99 - Bairro Ideal - Novo Hamburgo/RS - CEP: 93334-350
Fones: (51) 3065.4000 (51) 3594.0444 - Fax: (51) 3594.0448

PUBLICIDADE
Em Candelária

Gaúcho de 230 milhões de anos: novo réptil fóssil é identificado

O fóssil foi doado anonimamente para o Museu de Candelária em 2015
08/05/2018 15:11 08/05/2018 22:08

Renata Cunha/Ilustração/Divulgação
Animal era de médio porte, com até três metros de comprimento, e existe forte evidência de que seria um quadrúpede
Pesquisadores da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) e da Universidade Federal do Vale do São Francisco (Univasf) identificaram uma nova espécie de réptil fóssil pré-histórico do interior do Rio Grande do Sul, que viveu há aproximadamente 237 milhões de anos, no Período Triássico (que durou entre 251 até 201 milhões de anos). A descoberta foi descrita em artigo publicado no periódico britânico Zoological Journal of the Linnean Society.

Batizada de Pagosvenator candelariensis, a nova espécie foi identificada a partir de um fóssil que consiste em um crânio e uma mandíbula quase completos, associados a algumas vértebras do pescoço e a algumas placas ósseas que cobriam seu dorso, similar aos dos crocodilos de hoje dia. O estudo também utilizou técnicas de tomografia computadorizada, a partir das quais os cientistas puderam ter acesso a muitas informações sobre a anatomia do crânio do animal sem danificar o material.

O fóssil em questão foi doado anonimamente para o Museu Municipal Aristides Carlos Rodrigues, no Município de Candelária, região centro-oeste do Estado do Rio Grande do Sul, no Natal de 2015, o que motivou o apelido carinhoso de “Papai Noel”. Após a finalização do estudo, o fóssil foi devolvido ao museu, onde encontra-se em exposição atualmente.

Conforme explica o líder da pesquisa Marcel Lacerda, como, no momento da doação, não foram fornecidas maiores informações sobre o fóssil, não é possível saber com exatidão o local em que foi encontrado. A análise dos elementos químicos presentes no objeto, as características da espécie e o período de sua formação, entretanto, indicam que é bastante provável que o fóssil venha da região de Candelária. O nome da nova espécie, aliás, é uma homenagem à importância desse município para a paleontologia. Pagosvenator candelariensis significa “o caçador da região de Candelária”. 

Características

Renata Cunha/Ilustração/Divulgação
Animal era de médio porte, com até três metros de comprimento, e existe forte evidência de que seria um quadrúpede
Segundo Lacerda, o Pasgosvenator era um animal de médio porte, com até três metros de comprimento, e, com base na comparação com outras espécies semelhantes já conhecidas, existe forte evidência de que seria um quadrúpede. Os dentes longos e recurvados indicam que o animal apresentava uma dieta carnívora, possivelmente baseada em pequenos e médios animais.

O professor de Paleontologia da Univasf Marco França, coautor do estudo, explica que o Pagosvenator pertence ao grande grupo dos arcossauros, que apresenta duas linhagens evolutivas: uma formada pelos ancestrais dos crocodilianos modernos e outra que inclui aves e dinossauros. “A nova espécie descrita não tem relação com as aves e os dinossauros, ela está na linhagem que deu origem aos crocodilos, embora ainda seja muito distante destes”, elucida França. Fósseis desse grupo foram encontrados na Europa, nos Estados Unidos, no leste da África e na Argentina. Pagosvenator é a primeira ocorrência desse grupo para o Triássico do Brasil.



Jornal NH
PUBLICIDADE

WEBTV

PUBLICIDADE
Capa do dia

FOLHEIE O SEU JORNAL PREFERIDO NA TELA DO SEU COMPUTADOR.

ACESSE ASSINE AGORA
51 3600.3636
CENTRAL DO ASSINANTE

51 3591.2020
CENTRAL DE VENDAS DE ASSINATURAS