Olá leitor, tudo bem?

Use os í­cones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, ví­deos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.
VOLTAR
FECHAR

Rua Jornal NH, 99 - Bairro Ideal - Novo Hamburgo/RS - CEP: 93334-350
Fones: (51) 3065.4000 (51) 3594.0444 - Fax: (51) 3594.0448

Série D

Noia tem dia infeliz nas penalidades e é eliminado

Anilado perdeu no tempo normal e nos pênaltis
09/06/2018 17:09 09/06/2018 19:42

Juarez Machado/GES
Novo Hamburgo foi a Porto Alegre enfrentar o São José

Jogando por um empate ou vitória no sintético do Passo D´Areia, diante do São José, o Novo Hamburgo deu adeus à Série D do Brasileirão. Perdeu no tempo normal, por 1 a 0, e acabou eliminado nas cobranças de pênaltis, aumentando a mística de que o Zequinha é a touca do Noia. Dentro de campo, a partida deu mostras de que seria nervosa e pegada desde o início, com os jogadores do São José marcando duro e pressionando a fraca arbitragem do sulmatogrossense Paulo Salmazio.

O torcedor anilado tomou um susto a 1 minuto de partida, quando o capitão Preto sentiu o tornozelo da perna direita e deixou o gramado, para a entrada de Zoti. Buscando cadenciar o jogo e evitando a ligação direta, o Noia dominava a partida. Aos 16 minutos, Fidélis, na cobrança de uma falta na intermediária, achou Conrado por trás dos zagueiros.

O atacante demorou a concluir, Fábio abafou o chute e no rebote a redonda sobrou para Zoti emendar em cima da zaga. Aos 20 minutos, o Zequinha quase abriu o marcador. Janderson invadiu a área, deu um meio balãozinho em Ricardo Thalheimer e na hora da conclusão Carlão cresceu para cima do centroavante, com a bola espirrando e indo a escanteio. Mesmo com o Novo Hamburgo controlando o meio-campo, o que inibia uma saída de bola do adversário pelos flancos e fazia o time de Porto Alegre cometer muitas faltas, foi numa bola parada que o Zequinha surpreendeu e abriu o marcador. O habilidoso meia Alexandre telegrafou uma cobrança de falta na cabeça de Bruno Jesus, que entrou livre pelo meio da zaga anilada e só teve o trabalho de escolher o canto, cumprimentar Carlão e correr pro abraço. Gol que manteve o 100% de aproveitamento em casa do time do técnico Rafael Jaques, levava o jogo para a decisão por penalidades máximas e prenunciava a triste jornada do Noia.

Fracasso nos pênaltis

Os 45 minutos finais iniciaram com o Novo Hamburgo imprimido mais velocidade a partida, na busca da igualdade no marcador. Aos 13min, Zoti levantou para a área, Juninho dominou, mas bateu longe. Menos de um minuto depois Zoti achou João Paulo, que chutou da entrada da área e Fábio defendeu em dois tempos. A chance de empatar veio aos 16 minutos. João Paulo chutou e a bola foi na mão de Bruno Jesus. Pênalti que Fidélis bateu no canto esquerdo e Fábio, com histórico de pegador de pênaltis desde seus tempos de Cruzeiro-PA, defendeu. A partir daí o jogo ganhou em nervosismo para o Noia, que tentava em bolas enfiadas para João Paulo e Conrado alguma efetividade. Aos 31 minutos, em tabela entre Zoti e João Paulo, a bola sobrou para Conrado chutar pressionado e Fábio novamente defender. Depois, três expulsões. Romano e Márcio pelo Zequinha e Márcio Goiano pelo Noia, numa amostra clara da alta voltagem do jogo. Restou ao Anilado tentar resolver seu destino na loteria das penalidades máximas, mas fazer do goleiro Fábio o nome do jogo. Conrado e Maicon converteram as cobranças, Zoti chutou no travessão e Fidélis e João Paulo chutaram para Fábio brilhar.

FICHA TÉCNICA

SÃO JOSÉ 1
Fábio; Márcio Lima, Rafael Goiano, Bruno Jesus e Romano; Fabiano (Wágner), Felipe Guedes (Karl), Alexandre, Matheuzinho e Canhoto (Kelvin); Janderson. Técnico – Rafael Jaques.

NOVO HAMBURGO 0
Carlão; Maicon, Thiago Steffen, Ricardo Thalheimer e Assis (Márcio Goiano); Rudiero, Fidélis, Preto (Zoti), Juninho e Conrado; João Paulo. Técnico - Paulo Henrique Marques

DETALHES

Local: Estádio Passo D´Areia, em Porto Alegre. Arbitragem – Paulo Henrique de Melo Salmazio, auxiliado por Marcos dos Santos Brito e Sérgio Alexandre da Silva (trio sul-matogrossense).

Cartões amarelos – Conrado, Rudiero e Juninho (NH), Felipe Guedes (SJ)

Cartão vermelho – Romano e Márcio (SJ) e Márcio Goiano (NH).

COTAÇÃO NOIA – 50

Dominou a partida nos dois tempos, mas foi incompetente na hora das finalizações. Por isso caiu. 5

COTAÇÃO JOGADORES – 60
Carlão – Seguro. Participou muito pouco da partida. 7
Maicon, - Mais contido na marcação, mas também pouco acionado. 6
Thiago Steffen – Participação na falha coletiva no gol do Zequinha. 5
Ricardo Thalheimer – Firme, seguro e com boa saída de bola. 6
Assis – Apareceu muito pouco durante toda a partida. 3
Rudiero – É um cão de guarda, mas tomou um calor com Alexandre. 4
Fidélis – É jogador de personalidade, mas errou dois pênaltis. 4
Preto – Saiu com menos de 5 min. SEM NOTA
Juninho – Função tática importante, mas limitado tecnicamente. 5
Conrado – Ótimo primeiro tempo. No segundo, sumiu. 6
João Paulo – Brigou, fez pivô, cavou pênalti e errou pênalti. 5
Zoti – Técnica e visão de jogo, mas precisa ser mais sangüineo. 5

COTAÇÃO TÉCNICA – 50
Numa análise do trabalho na D, deu uma cara ao time do Noia. 7


Jornal NH
PUBLICIDADE

WEBTV

Capa do dia

FOLHEIE O SEU JORNAL PREFERIDO NA TELA DO SEU COMPUTADOR.

ACESSE ASSINE AGORA
51 3600.3636
CENTRAL DO ASSINANTE

51 3591.2020
CENTRAL DE VENDAS DE ASSINATURAS