Olá leitor, tudo bem?

Use os í­cones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, ví­deos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.
VOLTAR
FECHAR

Rua Jornal NH, 99 - Bairro Ideal - Novo Hamburgo/RS - CEP: 93334-350
Fones: (51) 3065.4000 (51) 3594.0444 - Fax: (51) 3594.0448

PUBLICIDADE
Ivoti

Feira da Colônia Japonesa reúne cultura e gastronomia nipônica

Evento passa a contar com oficinas de origami com professores orientais
03/06/2018 14:48 03/06/2018 17:33

Inezio Machado/GES
Oficina de origami é novidade na feira
Comidas típicas, plantas e um pouco da cultura nipônica compõem a Feira da Colônia Japonesa realizada neste domingo (3), das 9 às 18 horas, nas proximidades da sede da Associação Nipo-Brasileira de Ivoti. O evento sempre ocorre no último final de semana de cada mês, mas teve data protelada na última edição devido aos protestos dos caminhoneiros. 

Até o inicio desta tarde, centenas de pessoas circularam por entre os 26 expositores locais. Masae Miyabe Urakami, 59 anos, comercializava doces, licores e produtos em conservas. “A feira sempre é boa, fazemos amizades. Aqui temos coisas que não se encontram no mercado, algumas novidades”, destacou. Ao lado dela, Valquíria Kuhn, 46, vendia óleos essenciais produzidos com plantas cultivadas no município. Além de comidas típicas japonesas, como sushis, temakis, yakissoba, e plantas, o evento também conta com produtos coloniais, como cucas, vinhos e chimias caseiras.

Aulas de origami são novidade

Neste final de semana, ocorreu a primeira oficina de origami realizada através da Associação dos Professores de Língua e Cultura Japonesa do Rio Grande do Sul e de Santa Catarina (AplcjSul), a convite da organização da feira. A professora Geovana Ayori Hayashi, japonesa nata e formada em História, ensinava a técnica milenar com a companhia da conterrânea Kaho Kuniyoshi, vinda ao Brasil pela Japan International Cooperation Agency (Jica).


Coordenadora da iniciativa, a professora Iaioi Tao conta que o projeto vem ao encontro da cultura japonesa. “A arte possibilita estimular áreas motoras com as mãos e é uma forma de lazer”, ressalta. Calmamente, as crianças fazem as dobraduras até formar animais, flores ou objetos. No local, também são comercializados livros. O casal Yurika Nagasawa, 36 anos, professora de português, e Cícero Ávila, 37, analista de rede, veio de Porto Alegre e trouxe a filha Maria Claudia, 8, o sobrinho Diogo Yamamoto e o aluno japonês em intercâmbio no Brasil Yuichi Yogo. “É bem divertido, mas um pouco difícil”, comenta Maria, animada com o gato que dobrou.


Jornal NH
PUBLICIDADE

WEBTV

PUBLICIDADE
Capa do dia

FOLHEIE O SEU JORNAL PREFERIDO NA TELA DO SEU COMPUTADOR.

ACESSE ASSINE AGORA
51 3600.3636
CENTRAL DO ASSINANTE

51 3591.2020
CENTRAL DE VENDAS DE ASSINATURAS