Olá leitor, tudo bem?

Use os í­cones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, ví­deos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.
VOLTAR
FECHAR

Rua Jornal NH, 99 - Bairro Ideal - Novo Hamburgo/RS - CEP: 93334-350
Fones: (51) 3065.4000 (51) 3594.0444 - Fax: (51) 3594.0448

PUBLICIDADE
Viver com saúde

Alerta para o silencioso câncer nos ovários

A cada quatro mulheres diagnosticadas, três já têm doença em estado avançado
09/08/2018 21:10 09/08/2018 21:30

Pixabay/Divulgação
Câncer nos ovários: doença silenciosa
O câncer de ovário está próximo de se tornar a segunda neoplasia maligna mais comum entre os cânceres ginecológicos, com um aumento alarmante de sua incidência a cada ano. Segundo o Instituto Nacional do Câncer, o Inca, a cada quatro mulheres diagnosticadas com câncer no ovário, três apresentam estágio avançado.

“Isso ocorre pelo fato da doença ser assintomática [sem sintomas] ou apresentar sintomas discretos na sua fase inicial. Infelizmente, essa doença apresenta menor chance de cura nesse estágio avançado. O câncer de ovário pode se manifestar em mulheres de qualquer faixa etária, mas cerca de 85% dos casos ocorrem naquelas acima dos 50 anos”, destaca o cirurgião geral e oncológico Carlos Antonello.

Avaliação

O médico ainda destaca a necessidade de uma avaliação apurada da saúde da mulher. “Outro problema que temos com essa neoplasia é que inexiste, até o momento, o benefício de realizarmos rastreamento populacional, a partir de determinada idade, isto é, não temos um exame, que deva ser pedido a partir de certa idade. A investigação deve ser individualizada para cada paciente”, ressalta.

Sintomas

Como é uma doença silenciosa, inicialmente não apresenta sintomas específicos. Porém, a medida que o tumor cresce, o cirurgião explica que podem aparecer manifestações como inchaço ou aumento do volume abdominal; dor pélvica ou abdominal; dificuldade para comer ou sensação rápida de saciedade; alterações urinárias e problemas intestinais. “Esses sintomas nem sempre significam tumores de ovário, mas, se persistirem por mais de duas semanas seguidas, é indicado procurar o médico de sua confiança para realizar o diagnóstico. Exames de imagem como a ecografia transvaginal podem auxiliar na descoberta da doença, mostrando lesões ovarianas suspeitas”, explica Antonello. No entanto, ele reforça a importância da mulher ficar sempre em alerta, pois o exame papanicolau, conhecido também como pré-câncer, não detecta essa doença.

Tratamento

O tratamento do câncer no ovário depende do estágio e a situação clínica da paciente. Se detectada no início, é possível realizá-lo por meio de cirurgia minimamente invasiva. Porém, em casos mais avançados, é preciso cirurgia oncológica associada à quimioterapia. “É importante levar em consideração fatores de risco que aumentam a incidência da doença, como história familiar de câncer de mama ou ovário, endometriose, tabagismo, infertilidade, síndrome de ovário policístico. Além disso, mulheres nuliparas (que não tiveram uma gestação) apresentam maior risco de desenvolver a doença e devem ter um cuidado especial”, lembra.


Jornal NH
PUBLICIDADE

WEBTV

PUBLICIDADE
Capa do dia

FOLHEIE O SEU JORNAL PREFERIDO NA TELA DO SEU COMPUTADOR.

ACESSE ASSINE AGORA
51 3600.3636
CENTRAL DO ASSINANTE

51 3591.2020
CENTRAL DE VENDAS DE ASSINATURAS