Olá leitor, tudo bem?

Use os í­cones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, ví­deos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.
VOLTAR
FECHAR

Rua Jornal NH, 99 - Bairro Ideal - Novo Hamburgo/RS - CEP: 93334-350
Fones: (51) 3065.4000 (51) 3594.0444 - Fax: (51) 3594.0448

PUBLICIDADE
Viver com Saúde

Especialista fala dos tratamentos para cada tipo de olheira

Métodos variam conforme a origem da marca que aparece ao redor dos olhos
18/10/2018 14:28 18/10/2018 14:29

Uma boa noite de sono ou tratamentos e uso de cosméticos que prometem uma solução milagrosa nem sempre podem evitar o surgimento das olheiras. O escurecimento abaixo dos olhos pode ter várias origens, o que significa que o tratamento também depende da sua especificidade. A secretária científica da Sociedade Brasileira de Dermatologia – Secção RS (SBD-RS), dermatologista Vanessa Santos Cunha, explica quais procedimentos são possíveis.

“A luz intensa pulsada pode ser utilizada para o tratamento de olheiras vasculares e pigmentares. Esta última também pode ser tratada com despigmentantes tópicos. Já o preenchimento com ácido hialurônico, laser fracionado ablativo, não-ablativo e a radiofrequência são opções para as olheiras estruturais. As mistas podem ser resolvidas com uma combinação dos métodos descritos”, esclarece a dermatologista.

Entre os tipos, a olheira vascular surge por alterações nos vasos sanguíneos e são avermelhadas, arroxeadas ou azuladas. Há, também as de tipo misto, que são as mais comuns, com uma combinação de vários sintomas.

Mais tipos

Para identificar mais versões de olheiras, Vanessa diz que a do tipo estrutural se manifesta através de uma sombra abaixo dos olhos, causada por falta de tecido na região ou olhos geneticamente mais fundos e pode ser agravada com o envelhecimento e consequente flacidez. A do tipo pigmentar tem um tom amarronzado e ocorre pela deposição de pigmento na pele. É mais comum em pessoas de pele morena, alérgicas ou com tendência genética.


Jornal NH
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Capa do dia

FOLHEIE O SEU JORNAL PREFERIDO NA TELA DO SEU COMPUTADOR.

ACESSE ASSINE AGORA
51 3600.3636
CENTRAL DO ASSINANTE

51 3591.2020
CENTRAL DE VENDAS DE ASSINATURAS