Olá leitor, tudo bem?

Use os í­cones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, ví­deos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.
VOLTAR
FECHAR

Rua Jornal NH, 99 - Bairro Ideal - Novo Hamburgo/RS - CEP: 93334-350
Fones: (51) 3065.4000 (51) 3594.0444 - Fax: (51) 3594.0448

PUBLICIDADE
Incêndio no Rio de Janeiro

Atacante Diego Carioca lamenta tragédia no Ninho do Urubu e relembra tempos de Flamengo

Jogador atuou no time do Rio de Janeiro quando tinha 15 anos e morou nos alojamentos do clube em Vargem Grande
08/02/2019 14:15 08/02/2019 14:25

Foto por: Arquivo Pessoal/Diego da Rosa
Descrição da foto: Diego Carioca atuou pelo Flamengo quando tinha 15 anos
Ao acordar, na manhã dessa sexta-feira (8), o atacante aimoresista Diego Silva Nascimento Santos, que completou 21 anos na quarta-feira (6), recebeu mensagem da mãe Luciana da Silva Oliveira, que ainda reside em Niterói, Rio de Janeiro. “Minha mãe mandou uma mensagem de áudio chorando logo pela manhã”, disse Diego Carioca, ao saber do incêndio ocorrida no Ninho do Urubu, Centro de Treinamento flamenguista, que matou 10 jovens das categorias de base do Flamengo. Nesse instante, o carioca que atua no Aimoré passou a buscar maiores informações nas redes sociais. Entre 2013 a 2014, quando atuou pelo Flamengo, o jogador também viveu no alojamento localizado em Vargem Grande, que incendiou na madrugada de quinta para sexta-feira.
“Morei no local onde teve o incêndio, ali no contêiner”, relembrou Diego, da época em que tinha os mesmos 15 anos de alguns dos meninos que morreram no incêndio da madrugada. O atacante aimoresista ainda contou que não teve contato com os meninos que morreram pela diferença de idade. À época, o menino que ainda sonhava em ser jogador morou com atletas como Felipe Vizeu, centroavante que está no Grêmio e também Baggio, atualmente no Brasil de Pelotas, próximo adversário do Índio no Gauchão 2019. “É muito forte porque só de tu pensar que alguns anos atrás estava ali no mesmo lugar, causa uma reflexão. E o tamanho é tão grande que não só quem morou ou jogou lá já fica traumatizado”, declarou o atacante do Índio Capilé.


Jornal NH
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Capa do dia

FOLHEIE O SEU JORNAL PREFERIDO NA TELA DO SEU COMPUTADOR.

ACESSE ASSINE AGORA
51 3600.3636
CENTRAL DO ASSINANTE

51 3591.2020
CENTRAL DE VENDAS DE ASSINATURAS