Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.
VOLTAR
FECHAR

Rua Jornal NH, 99 - Bairro Ideal - Novo Hamburgo/RS - CEP: 93334-350
Fones: (51) 3065.4000 (51) 3594.0444 - Fax: (51) 3594.0448

PUBLICIDADE
Opinião

Fator Beira-Rio tem sido o grande trunfo para o Inter

Diante do seu torcedor, Colorado conquistou títulos importantes como a Libertadores, Sul-Americana e Copa do Brasil
05/09/2019 09:40 05/09/2019 20:38

Foto por: diego da rosa/ges
Descrição da foto:

Ruas de fogo; estátua de ídolo que é ponto de devoção; e sucessivas quebras de recordes de públicos. O fator local tem muita importância para o Internacional, que sabe usá-las como poucos. Em jogos decisivos, principalmente nos eliminatórios, o Estádio Beira-Rio tem se tornado um ambiente hostil para os adversários. O grito da torcida que ecoa pelos quatro cantos do Estádio faz, com toda certeza, a diferença. Embora tenha sido eliminado recentemente na Libertadores após um empate em 1 a 1 contra o Flamengo, superar o Colorado em Porto Alegre não é tarefa fácil.

Uma aliança entre torcida e time que vem, inclusive, quebrando recordes de público após a reforma com certa frequência e pode fazer a diferença diante do Athlético Paranaense na final da Copa do Brasil, ainda que não esteja definida a ordem dos mandos (sorteio acontece hoje, às 15 horas).

Se contarmos confrontos decisivos de Copa do Brasil, Brasileirão e Libertadores, há tempos o torcedor colorado sabe o que é sair do Beira-Rio frustrado. O último clube que se atreveu - e conseguiu- tal feito foi o Novo Hamburgo, que venceu por 1 a 0 em jogo válido pelo Gauchão em março deste ano. Desde então, o Colorado não sabe o que é derrota jogando em seus domínios.

Sob o comando de Odair Hellmann o retrospecto pode - e deve - deixar os  confiantes: em 54 jogos em casa, foram 40 vitórias, dez empates e quatro derrotas. Além disso, historicamente, isso pode pesar a favor do Inter, especialmente se o torcedor colorado puxar na memória as últimas conquistas importantes, como, por exemplo, as duas da Libertadores de 2006 e 2010; a Sul-Americana em 2008, além da Copa do Brasil de 1992.

Em 2006, o Inter de Abel Braga segurou um empate frente ao São Paulo por 2 a 2, depois de vencer fora por 2 a 1, e, diante de 56 mil torcedores, levantou o primeiro troféu da competição continental. Quatro anos depois, na segunda conquista, após vencer fora o Chivas por 2 a 1; os gaúchos, comandados por Celso Roth venceram por 3 a 2 diante de um Beira-Rio lotado. Em 2008, o Inter conquistou de forma dramática a Copa Sul-Americana diante do Estudiantes de La Plata, 1 a 0 na prorrogação, com gol de Nilmar.

Se o histórico colorado em casa anima o torcedor, considere mais uma informação: na primeira conquista da Copa do Brasil em 1992 contra o Fluminense, quando o Inter venceu por 1 a 0, mais de 45 mil torcedores tiraram da garganta o grito de 'É Campeão', entalado há 13 anos.

Quem sabe esse ano a história não se repete, hein, torcedor?

Jornal NH
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Capa do dia

FOLHEIE O SEU JORNAL PREFERIDO NA TELA DO SEU COMPUTADOR.

ACESSE ASSINE AGORA
51 3600.3636
CENTRAL DO ASSINANTE

51 3553.2020 / 51 992026770
CENTRAL DE VENDAS DE ASSINATURAS