Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.
VOLTAR
FECHAR

Rua Jornal NH, 99 - Bairro Ideal - Novo Hamburgo/RS - CEP: 93334-350
Fones: (51) 3065.4000 (51) 3594.0444 - Fax: (51) 3594.0448

PUBLICIDADE
Aquecimento global

No ritmo atual, Groenlândia derreterá até o fim do milênio, diz estudo

De acordo com os cientistas, a Groenlândia poderia contribuir para um aumento de até 33 cm das águas globais até 2100
19/06/2019 22:34

Foto por: Steffen Olsen / Danish Meteorological Institute / AFP
Descrição da foto: Trenós com cães andam sobre águas em regiões que normalmente estariam congeladas na Groenlândia
As geleiras da Groenlândia contêm o equivalente a sete metros do nível do mar. Mas um novo estudo, publicado nesta quarta-feira (19) com dados da Nasa não exclui que derretam completamente no próximo milênio sob o efeito do aquecimento global.

"Prevemos que a Groenlândia provavelmente estará livre de gelo até o fim do milênio, a menos que haja uma redução significativa nas emissões de gases de efeito estufa", conclui a equipe liderada por pesquisadores da Universidade do Alasca Fairbanks, no estudo publicado pela revista Science Advances.

Seu modelo se soma a muitos outros que mostram que as geleiras da Groenlândia estão derretendo a grande velocidade desde 2000, e que o processo está piorando.

Para este estudo, os cientistas exploraram as medições aéreas da Nasa (operação IceBridge) sobre a espessura da camada de gelo, e estimaram a velocidade das geleiras e correntes de gelo que se movem a velocidades variáveis e fluem em direção ao oceano.

Os pesquisadores produzem estimativas de acordo com cenários de aquecimento mais ou menos dramáticos.

De acordo com os cientistas, a Groenlândia poderia contribuir para um aumento de cinco a 33 cm das águas globais até 2100.

E nos próximos 1.000 anos, no pior dos casos, se situaria em entre 5,23 e 7,28 metros.

"Se continuarmos neste ritmo, a Groenlândia derreterá", diz Andy Aschwanden, professor do Instituto de Geofísica da Universidade do Alasca.

 

Jornal NH
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Capa do dia

FOLHEIE O SEU JORNAL PREFERIDO NA TELA DO SEU COMPUTADOR.

ACESSE ASSINE AGORA
51 3600.3636
CENTRAL DO ASSINANTE

51 3553.2020 / 51 992026770
CENTRAL DE VENDAS DE ASSINATURAS