Olá leitor, tudo bem?

Use os í­cones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, ví­deos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.
VOLTAR
FECHAR

Rua Jornal NH, 99 - Bairro Ideal - Novo Hamburgo/RS - CEP: 93334-350
Fones: (51) 3065.4000 (51) 3594.0444 - Fax: (51) 3594.0448

PUBLICIDADE
D. Zeno Hastenteufel

O Batismo de Jesus

12/01/2019 10:00

Com a celebração da festa do Batismo do Senhor, neste domingo, encerramos oficialmente o "ciclo natalino" e passamos ao assim chamado "tempo comum", na liturgia romana.

O batismo de João era, antes de tudo, um gesto penitencial de todos aqueles que estavam se preparando para acolher a mensagem do Salvador, que estava para ser enviado ao mundo. Todos eram convidados a uma conversão, à penitência e ao batismo na água, como sinal concreto de adesão ao anúncio de João.

É claro que Jesus não tinha nenhuma necessidade de ser batizado por João Batista, já que Ele era muito mais importante do que o próprio "Batizador" ou "Batista". O certo é que, desde os primórdios do cristianismo, o Batismo do Senhor é uma das festas natalinas e, no Rio Jordão, há um lugar conhecido como aquele em que se teria dado o histórico batizado, que marca o início da vida pública de Jesus.

No batismo do Senhor, encontramos uma das mais importantes revelações da Santíssima Trindade, que se revela no Pai, Filho e Espírito Santo. As três pessoas estão presentes no batismo de Jesus. Lá está o Filho de Deus, dentro da água, sendo batizado. Lá está Deus Pai, com aquelas famosas palavras: "Este é meu Filho muito amado; nele está todo o meu agrado" (Mt 3,17). Finalmente, lá está o Espírito Santo, em forma de pomba, já que ele não tem corpo e, para aparecer, toma emprestado o corpo de um outro ser vivo.

Nós conhecemos o nosso Deus Trindade, a partir destas públicas manifestações e a partir de tudo que o Filho nos falou. Ele sempre se apresentava como Filho. Ele falava do seu Pai e com seu Pai. Para Jesus estava claro que Ele e o Pai eram o mesmo Deus, desde toda a eternidade. Além disso, nos últimos dias de sua vida mortal, falava claramente a respeito da terceira pessoa, o Divino Espírito Santo. Dizia que Ele nos enviaria o Espírito Santo. Deixou bem claro que Ele permaneceria conosco.

Ao lermos neste domingo os textos alusivos ao Batismo do Senhor, temos também a oportunidade para aprofundarmos a nossa fé, em nosso Deus Trindade, que se revela e se manifesta neste início da vida pública de Jesus.


Jornal NH
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Capa do dia

FOLHEIE O SEU JORNAL PREFERIDO NA TELA DO SEU COMPUTADOR.

ACESSE ASSINE AGORA
51 3600.3636
CENTRAL DO ASSINANTE

51 3591.2020
CENTRAL DE VENDAS DE ASSINATURAS