Olá leitor, tudo bem?

Use os í­cones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, ví­deos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.
VOLTAR
FECHAR

Rua Jornal NH, 99 - Bairro Ideal - Novo Hamburgo/RS - CEP: 93334-350
Fones: (51) 3065.4000 (51) 3594.0444 - Fax: (51) 3594.0448

PUBLICIDADE
Cris Manfro

O amor é uma arte

"Vivemos a anarquia das relações e dos afetos"
07/03/2019 20:19

Cris Manfro NOVO Cris Manfro é psicóloga clínica, terapeuta de família e casal e mediadora familiar
acmanfro@terra.com.br

Erich Fromm fez a afirmação de que o amor é uma arte, e comentou que, por ser uma arte, requer disciplina, concentração, paciência fé e a superação do narcisismo. O amor, dizia ele, não é um sentimento, é uma prática. Eu concordo, e me atrai a ideia do amor como uma prática, que de alguma maneira se junta à minha crença de que amor tem muito de decisão. Mas, convenhamos, quem está disposto a ter disciplina? Ainda mais em coisas do coração? Vivemos a anarquia das relações e dos afetos. Quanta gente brincando de amor, brincando de se gostar e fingindo afetos.

Concentração e foco? Como, se temos tantos estímulos, com tantas escolhas pipocando na nossa frente, tantas possibilidades a cada esquina, como se amar fosse um comércio, com tantas oportunidades, que fica impossível se dedicar, escolher, focar e se comprometer? Como crianças mal acostumadas, pegamos o amor como se fosse um brinquedo sem tirar os olhos de tantos outros da prateleira, sem aproveitar o que temos em mãos.

Paciência? Na hora da velocidade, tudo tem que dar certo agora. Tudo é para ontem, imediato, instantâneo, descartável e logo em desuso. Amor implica em construção e isso requer tempo e paciência. Não queremos construir mais nada que não seja pré-moldado e já com prazo de validade.

Fé? Num momento em que os divórcios superaram o número de casamentos, onde todos parecem “se deixar”, com centenas de crenças negativas a respeito dos relacionamentos, dos homens, das mulheres, e a respeito do amor, como ter fé? Muitas vezes me sinto uma solitária lutando pelos relacionamentos, pois tem uma onda de pensamento afirmado, que a fila anda rápido e você não tem porque sentir desconforto, mal estar ou ter momentos infelizes. Chute o balde então e vá ser feliz! Doce ilusão! A maioria das pessoas não se sente mais feliz nesse troca-troca de afetos.

Superação do narcisismo? Como, se o mal do momento tem sido o ego? O ego inflado das pessoas que trazem tanto sofrimento, negatividade, críticas, julgamentos precipitados, egoísmo doentio, com pessoas confundindo autoestima com adoração a si mesmo. Amam-se sem capacidade de empatia pelo outro, sem se importarem com o que o outro sente, se sofre ou se está machucando. O amor, ou melhor, amar é uma arte! Diferente do Erich Fromm, que diz que o amor não é natural, eu ouso dizer que pra mim é natural, mas requer trabalho e dedicação. O capricho, dedicação, paixão, tesão e a entrega de um artista, de um músico à sua obra. Se você não está disposto, amargará uma vida sem significados e com nada de produtivo de verdade. Se você está disposto, parabéns: você irá amar, ser amado e colherá os frutos de fazer uma obra de arte cheia de significados e realizações. Eu realmente acredito.


Jornal NH
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Capa do dia

FOLHEIE O SEU JORNAL PREFERIDO NA TELA DO SEU COMPUTADOR.

ACESSE ASSINE AGORA
51 3600.3636
CENTRAL DO ASSINANTE

51 3591.2020
CENTRAL DE VENDAS DE ASSINATURAS