Olá leitor, tudo bem?

Use os í­cones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, ví­deos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.
VOLTAR
FECHAR

Rua Jornal NH, 99 - Bairro Ideal - Novo Hamburgo/RS - CEP: 93334-350
Fones: (51) 3065.4000 (51) 3594.0444 - Fax: (51) 3594.0448

PUBLICIDADE
Sérgio Nikolay

Desemprego, a maior doença

12/03/2019 08:23 12/03/2019 13:54

Sergio Nicolay  A pesquisa e a ciência têm oferecido à humanidade enormes avanços em todos os sentidos, seja na área da engenharia, seja da medicina, da informática, do meio ambiente e em várias outras dimensões.

No entanto, se pararmos para pensar um pouco o que está acontecendo com as nossas vidas cotidianamente, em termos de saúde, nos deparamos com uma enorme gama de doenças físicas e mentais que afetem sobremaneira o viver e o conviver diário, seja em família, seja no trabalho.

Síndromes e moléstias se multiplicam, basta verificarmos o acentuado aumento no registro de pessoas portadoras de "câncer", que não tem escolhido idade, sexo, cor, gênero, simplesmente tem atacado impiedosamente suas vítimas, ceifando crianças, jovens, adultos e velhos do seio familiar e profissional.

É preocupante? Sim é, mas entendo que atualmente a maior doença vertente entre nós, brasileiros, é o desemprego. Vamos imaginar, dentro da nossa realidade, um casal com dois filhos menores, estudantes em escola pública, e que paga aluguel, possui um veículo e recebe a notícia de que ambos foram demitidos da empresa em que trabalhavam, respectivamente o marido há dez anos e a esposa há seis anos na mesma empresa. Imagine você nessa situação!

A estrutura dorsal financeira desse casal se foi. As contas a pagar se acumularão, com o transcorrer do tempo, pela falta de um novo emprego e, por consequência virão às moléstias físicas, mentais e psicológicas a esse casal, como depressão, estresse, insônia, obesidade, tensões nervosas, violência, drogas, desconforto familiar e outras mais.

Portanto, o que se necessita para amenizar esse cruel impacto é a geração de empregos e o resgate da dignidade do ser humano. Clamemos, neste importante momento, aos nossos governantes, independentemente de quem está no poder máximo, pela constante busca de mecanismos éticos e honestos de geração de novos postos de trabalho.

Temos que torcer que os nossos governantes, independentemente de sua ideologia política, consigam fomentar a geração de novas frentes de trabalho, mediante uma economia forte e aberta, que atraía novos investimentos internos e externos. Com certeza aí estará uma grande solução para os inúmeros problemas sociais.


Jornal NH
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Capa do dia

FOLHEIE O SEU JORNAL PREFERIDO NA TELA DO SEU COMPUTADOR.

ACESSE ASSINE AGORA
51 3600.3636
CENTRAL DO ASSINANTE

51 3591.2020
CENTRAL DE VENDAS DE ASSINATURAS