Publicidade
Notícias | País Saúde

Laboratório da UFRJ produz pele humana para pesquisas

Células são cultivadas e depois de 17 dias em contato com o ar, se proliferam, formando múltiplas camadas de pele

Por Agência Brasil
Última atualização: 11.09.2019 às 19:08

O campus do Fundão da UFRJ, Universidade Federal do Rio de Janeiro, ganhou o primeiro laboratório do país de bioengenharia de tecidos que vai disponibilizar pele reconstruída para testes em produtos.

O material produzido pela unidade será utilizado em substituição ao uso de animais como cobaias em testes de produtos.

O processo começa com a doação de restos de cirurgias plásticas para o laboratório. Daí se extraem os chamados queratinócitos. Essas células são cultivadas em placas de cultura e, depois de 17 dias em contato com o ar, se proliferam, formando múltiplas camadas de pele.

O laboratório, situado no campus da UFRJ, será gerido pela Episkin, uma subsidiária da L’Oréal. Sua inauguração constitui antecipação do prazo do dia 24 de setembro dado pelo CONCEA, Conselho Nacional de Controle de Experimentação Animal, para o fim do uso de animais em testes de segurança sempre que haja uma alternativa validada.

Em três anos de atividade da Episkin no Brasil, mais de 5 mil tecidos de pele reconstruídos foram gerados e utilizados no treinamento de mais de 100 pesquisadores no país e no Mercosul, o que possibilitou a implementação de métodos alternativos em diversos laboratórios interessados em reduzir ou substituir os testes em animais.

Com a inauguração de sua nova unidade de produção, essa capacidade aumentará para 10 mil unidades por ano.

Gostou desta matéria? Compartilhe!
Encontrou erro? Avise a redação.
Publicidade

Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.