Olá leitor, tudo bem?

Use os í­cones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, ví­deos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.
VOLTAR
FECHAR

Rua Jornal NH, 99 - Bairro Ideal - Novo Hamburgo/RS - CEP: 93334-350
Fones: (51) 3065.4000 (51) 3594.0444 - Fax: (51) 3594.0448

PUBLICIDADE
Terminus

Facção com berço no Vale do Sinos é alvo de operação contra tráfico internacional

Segundo a Polícia Civil, bando negociava maconha com traficantes uruguaios
06/12/2018 14:01 06/12/2018 14:39

Foto por: Polícia Civil
Descrição da foto: Mulher foi presa em São Leopoldo
A Polícia Civil desencadeou na manhã desta quinta-feira (6) uma operação para desarticular um esquema de tráfico internacional de drogas. A quadrilha, com berço no Vale do Sinos, usava rotas rodoviárias para enviar maconha para o Uruguai, dificultando a ação da Polícia. Nesta manhã, seis pessoas foram presas suspeitas de envolvimento no esquema. Duas das prisões foram no Vale do Sinos, uma em Novo Hamburgo e outra em São Leopoldo. Mandados de busca e apreensão também foram cumpridos em Jaguarão, na fronteira com o Uruguai, Viamão, Porto Alegre, Canoas e Pelotas.

Chamada de Terminus, as investigações da operação começaram após a prisão de um uruguaio Juan Daniel Pereira González, que reside no Brasil, e que participava de um esquema de tráfico de drogas que usava rotas dos ônibus de linha para transporte de drogas e armas.

Segundo a Polícia Civil, González negociava com o narcotraficante Gelson Luís Lemos, o Porcão, conhecido líder de uma facção de atuação em todo Rio Grande do Sul com berço no Vale dos Sinos. Ele seria o cabeça do esquema no Estado. Lemos tem antecedentes criminais por tráfico, associação, roubo, roubo de carga e fraude desde ano de 1993. Atualmente, era monitorado por tornozeleira eletrônica.

Ainda segundo a investigação, a quadrilha se organizava entre as remessas de droga e veículos clonados, sempre enviando os dois em rotas diferentes, para dificultar as ações policiais. Preferencialmente as drogas iam de ônibus enquanto um dos integrantes da quadrilha conduzia o veículo clonado. O grupo fazia diversas viagens para Jaguarão fronteira com Uruguai, sempre levando drogas e veículos clonados. Voltando imediatamente com dinheiro, armas e munição. Em um período de sete meses, foram monitoradas ao menos 30 viagens feitas pela quadrilha.

Segundo o Diretor de Investigações do Departamento Estadual do Narcotráfico (Denarc), delegado Mario Souza, "a operação Terminus é uma ação cirúrgica que visa quebrar um esquema de fornecimento de drogas do Rio Grande do Sul para a fronteira com o Uruguai".

A operação levou o nome de Terminus porque, em latim, o termo significa "a fronteira".


Jornal NH
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Capa do dia

FOLHEIE O SEU JORNAL PREFERIDO NA TELA DO SEU COMPUTADOR.

ACESSE ASSINE AGORA
51 3600.3636
CENTRAL DO ASSINANTE

51 3591.2020
CENTRAL DE VENDAS DE ASSINATURAS