Olá leitor, tudo bem?

Use os í­cones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, ví­deos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.
VOLTAR
FECHAR

Rua Jornal NH, 99 - Bairro Ideal - Novo Hamburgo/RS - CEP: 93334-350
Fones: (51) 3065.4000 (51) 3594.0444 - Fax: (51) 3594.0448

PUBLICIDADE
Nova Hartz

Homem atirou 12 vezes contra grupo de jovens, matando dois amigos

Mesmo preso em flagrante, atirador ainda não deu motivos para o crime
15/04/2019 10:27 15/04/2019 10:27

Foto por: Bombeiros de Nova Hartz
Descrição da foto: CENA DO CRIME: grupo tomava cerveja em loja de bebidas quando se tornou alvo de criminoso
A Polícia ainda não sabe por que um homem matou um estudante de Odontologia e um industriário desempregado na madrugada de domingo (14) em Nova Hartz. O assassino cometeu o crime em frente a uma loja de bebidas na Rua Juricaba, no bairro Primavera. O universitário Felipe Rolim Stein, 21 anos, e o industriário Juliezer dos Santos Pereira, 20, chegaram a ser atendidos pelo Corpo de Bombeiros Voluntários de Nova Hartz, mas morreram no local após serem alvejados por Tulio Rosa dos Santos, que foi preso em flagrante por homicídio doloso – quando há a intenção de matar. Ele tinha antecedente por porte ilegal de arma, uma pistola calibre .380, que era registrada, mas nunca teve o registro renovado.

Motivação

Conforme o delegado que acompanha o caso, Fernando Pires Branco, ao todo foram feitos 12 disparos da pistola calibre .380. "Ele (Tulio) não declarou por que fez isso. Em seu depoimento, ele não falava nada com fundamento", conta o delegado, que ouviu informalmente ontem o autor dos disparos. Após ser pego pela Brigada Militar no bairro Campo Vicente, em um GM/Celta, juntamente com a pistola e três munições intactas, Tulio foi encaminhado para a Delegacia de Polícia de Pronto Atendimento (DPPA) de Taquara, onde aguardava encaminhamento para o presídio. Os amigos das vítimas, segundo o delegado, não conheciam o autor dos disparos.

Os jovens são velados no novo necrotério de Nova Hartz. Juliezer está na capela 2 e Felipe na capela 3. Os dois serão sepultados às 14 horas desta segunda-feira (14) no Cemitério Municipal de Nova Hartz.

'Valeu, gurizada'

O delegado conta que Felipe e Juliezer estavam com outros três jovens na loja de bebidas. Eles estariam em uma mesa do lado de fora tomando uma cerveja. O suspeito estacionou o carro, um Celta branco, desceu do veículo, comprou uma bebida e ainda disse "valeu, gurizada". Eles teriam respondido "valeu". Depois, conforme a versão de testemunhas, Tulio foi até o carro e voltou com a arma efetuando os disparos contra os rapazes, que não tinham antecedentes criminais. 

Juliezer tinha voltado a morar em Nova Hartz

Foto por: Reprodução
Descrição da foto: Vítima: Juliezer Pereira
O primo de Juliezer dos Santos Pereira, o estagiário William de Almeida Pereira, 17 anos, conta que seu primo estava desempregado e havia voltado sexta-feira de São Paulo onde comprou utensílios para vender em Nova Hartz. O familiar explica que Juliezer estava morando com a mãe em Nova Hartz, pois havia voltado de Balneário Camboriú onde morava com o tio, mas não teria aguentado a distância. "Quando perguntei para ele (Juliezer) por que ele voltou de lá, ele disse que era gaúcho", conta William, que guarda lembranças de seu primo como um "guri alegre" e que colocava todos para cima. "Com ele não tinha tempo ruim. Um menino humilde e prestativo",declara.

Felipe passava o final de semana com família

Foto por: Reprodução
Descrição da foto: Vítima: Felipe Stein
Conforme a tia de Felipe Rolim Stein, a industriária Elizandra da Silva, 32 anos, seu sobrinho passava a semana em Caxias do Sul, onde estudava Odontologia, e retornava na sexta-feira à noite ou sábado pela manhã para ficar na casa da família, com os pais e o irmão, de 9 anos, em Nova Hartz.

Ela relata que seu sobrinho e amigos tinham saído para comprar cerveja e iam voltar para casa do primo dele. A tia conta que a família está bem chocada. "Ele era um guri amoroso, carinhoso, não tinha inimigos, todo mundo que conhecia ele sabia que não existia pessoa melhor. Ele sempre abraçava e sempre foi carinhoso", conta.

Jornal NH
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Capa do dia

FOLHEIE O SEU JORNAL PREFERIDO NA TELA DO SEU COMPUTADOR.

ACESSE ASSINE AGORA
51 3600.3636
CENTRAL DO ASSINANTE

51 3553.2020 / 51 992026770
CENTRAL DE VENDAS DE ASSINATURAS