Publicidade
Acompanhe:
NH Hoje
Notícias | Região Noroeste do Estado

É de Novo Hamburgo quinto bandido preso por roubo a banco em Porto Xavier

Fugitivo estava com revólver e munição de fuzil

Por Silvio Milani
Última atualização: 09.05.2019 às 08:15

Foto por: Jornal Noroeste/Reprodução
Descrição da foto: CERCO: caçada aos criminosos durou vários dias entre Porto Xavier e Porto Lucena
O roubo a banco mais recente no Estado, há três semanas, com morte de um policial militar e de dois assaltantes, teve nesta quarta-feira (8) a prisão de bandido formado no bairro Canudos, em Novo Hamburgo. Luciano Aguilar de Mattos, o Lucianinho, 43 anos, foi capturado no início da manhã com um revólver calibre 38 e munição de fuzil no interior de Porto Lucena, no noroeste gaúcho. É o quinto preso pelo assalto ao Banco do Brasil de Porto Xavier, na tarde de 24 de abril.

Foto por: Brigada Militar
Descrição da foto: CAPTURADO: Lucianinho
Lucianinho estreou no crime na Vila Iguaçu, atrás do aeroclube de Novo Hamburgo, onde morava com a família. Por causa de desavença na partilha de material roubado, matou um comparsa em 1995 e foi condenado a 20 anos de reclusão. Se tornou o típico cliente do sistema prisional brasileiro, dentro da tradicional sucessão de prisões, progressões para o regime semiaberto, fugas e recapturas. Além de homicídios e assaltos, tem condenação por tráfico.

CONDICIONAL

Lucianinho estava em liberdade condicional desde agosto do ano passado, concedida pela Justiça em Novo Hamburgo. Deixou rastro de crimes em várias outras cidades, como Taquara, São Leopoldo e Porto Alegre. "Na primeira condenação, pelo homicídio, ele foi para a Penitenciária de Alta Segurança de Charqueadas (Pasc) e entrou para um grupo de roubos grandes, principalmente a bancos, da região metropolitana", conta o chefe de Investigação da 3ª DP de Novo Hamburgo, inspetor Ivan Carlos da Silva.

Morador conseguiu deter e chamou polícia

Um morador da área rural identificou Lucianinho, o rendeu e chamou a Polícia. O fugitivo, com preventiva decretada pelo roubo a banco, estaria se escondendo em Porto Lucena, sua cidade natal, na casa de parentes. O endereço cadastrado nos órgãos oficiais ainda é o de Novo Hamburgo, para onde mudou-se na infância. "Não temos notícia de crimes recentes praticados por ele na área de Canudos, mas nunca não podemos descartar quando se trata de indivíduo de alta periculosidade", observa o inspetor.

 

Quadrilha levou R$ 1,1 milhão

O bando fez escudo humano para o assalto a banco em Porto Xavier e fugiu em direção a Porto Lucena, a 25 quilômetros de distância, com R$ 1,1 milhão roubados. No dia seguinte, durante cerco policial e confrontos em área de mata, foi morto o soldado da Brigada Militar Fabiano Heck Lunkes, 34. O colete balístico usado pelo policial foi perfurado na altura do peito por tiro de fuzil.

No dia 27, foram presos na região três suspeitos, entre eles o brigadiano aposentado Delci Engers, 59. Dois dias depois, o quarto procurado se entregou acompanhado da advogada e, ontem, foi a vez de Lucianinho ser capturado. Ainda é procurado Ezequiel Davi Trindade, 30, apontado como autor do tiro que matou o soldado. Ele está foragido do semiaberto desde fevereiro. Todos os acusados têm vasta ficha criminal.

Ezequiel David Trindade: suspeito de ter matado policial

Cadáver

Na noite de terça, foi identificado o corpo de Alexandre Pacheco da Silva, 44, encontrado em avançado estado de decomposição, no interior de Porto Lucena, com fuzil, munição e expressiva quantia em dinheiro. Mas não tinha marca de tiro. A perícia acredita que tenha morrido por complicação de asma ou diabetes. Morador de Gravataí, ele não estava na lista de suspeitos do assalto a banco. No dia 28, Ezequiel Matim de Souza, 32, foi morto a tiros ao tentar furar o cerco policial.

Gostou desta matéria? Compartilhe!
Encontrou erro? Avise a redação.
Publicidade

Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.