Publicidade
Acompanhe:
NH Hoje
Notícias | Região País

Trensurb entra para a lista de privatizações do governo federal

Governo federal divulgou novos projetos nesta semana

Por Bianca Dilly*
Última atualização: 10.05.2019 às 06:12

Na nova lista de empreendimentos públicos brasileiros que devem ser privatizados, divulgada na última quarta-feira (8), o governo federal incluiu a Empresa de Trens Urbanos de Porto Alegre (Trensurb). A Trensurb integra os 59 novos projetos apresentados pelo conselho do Programa de Parcerias e Investimentos (PPI) para concessão à iniciativa privada nos próximos anos. Atualmente, a empresa é responsável pela operação de uma linha de trens urbanos que soma 43,8 quilômetros e vai de Porto Alegre a Novo Hamburgo, passando por outras quatro cidades da região metropolitana. Ao todo, são 22 estações mantidas pela Trensurb.

Além da Trensurb, fazem parte do pacote rodovias, ferrovias, portos, hidrovias, aeroportos, linhas de transmissão e reservas de petróleo e gás. Na área do transporte público, também foi englobada a Companhia Brasileira de Trens Urbanos (CBTU), que atua em Belo Horizonte, Recife, Maceió, João Pessoa e Natal. A expectativa do governo federal é de que as privatizações resultem, nos próximos dez anos, em investimentos de até R$ 1,57 trilhão. O PPI foi criado por meio de lei em 2016, durante o governo Michel Temer.

Sindicato

O Sindicato dos Trabalhadores em Empresas de Transportes Metroviários e Conexas do RS (Sindimetrô/RS) manifestou, em nota, contrariedade à intenção de privatização da Trensurb. Nesta quinta-feira (9), a entidade destacou que a medida não conta com o respaldo dos metroviários. "O Sindimetrô/RS alerta que metrô privado é sinônimo de preço ainda mais alto e queda na qualidade. Para o setor privado, o lucro está acima dos interesses da população e dos trabalhadores", ressalta o texto. O sindicato ainda frisa que "não medirá esforços para lutar contra a privatização da Trensurb". Contatada, a assessoria de imprensa da Trensurb informou que não se manifestaria sobre a questão, que deve ser tratada em nível ministerial.

 

*Com informações de Agência Brasil

Gostou desta matéria? Compartilhe!
Encontrou erro? Avise a redação.
Publicidade

Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.