Pirâmide financeira (?)

Investigação da Unick é mais complexa que a da InDeal

Polícia Federal investiga as transações da empresa há sete meses
23/09/2019 07:00 23/09/2019 09:39

Foto por: Reprodução
Descrição da foto: Publicidade veiculada pela Unick para atrair clientes
A Polícia Federal não fala sobre a investigação envolvendo a Unick. Mas há pelo menos sete meses a PF está rastreando a movimentação da empresa. A reportagem apurou que o inquérito da Unick está dando muito mais trabalho que o da InDeal, outra empresa hamburguense suspeita de explorar pirâmide, fechada em maio com dez presos e milhares de clientes lesados.

"O problema da Unick é muito maior, pois, ao contrário da InDeal, os diretores não teriam colocado nada no nome. As transações fraudulentas são mais sofisticadas e em quantias absurdamente maiores. Descobrir o paradeiro e sequestrar esse patrimônio envolve complexas relações de cooperação internacional", conta uma fonte ligada à investigação.

As queixas não param de aumentar. No site ReclameAqui, especializado em denúncias de consumidores, a Unick é a quinta empresa do País com mais menções nos últimos 30 dias. São quase 9 mil pessoas reclamando pelo site. 

De forma tímida, começam também a aparecer os primeiros boletins de ocorrência e processos criminais. "Eles dizem que quem procurar a Polícia não vai receber o que investiu, mas acho que vou mesmo assim, pois só enrolam e já perdi uns R$ 100 mil", conta uma hamburguense de 34 anos.


Jornal NH