Olá leitor, tudo bem?

Use os í­cones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, ví­deos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.
VOLTAR
FECHAR

Rua Jornal NH, 99 - Bairro Ideal - Novo Hamburgo/RS - CEP: 93334-350
Fones: (51) 3065.4000 (51) 3594.0444 - Fax: (51) 3594.0448

PUBLICIDADE
Julgamento

Delegada confirma que Graciele pagou R$ 6 mil por ajuda na morte de Bernardo

Titular da delegacia de Três Passos afirma que a criança era torturada psicologicamente
11/03/2019 16:18 11/03/2019 16:22

Foto por: Divulgação/TJRS
Descrição da foto: Caroline Machado é delegada e investigou o caso
Primeira testemunha da acusação a ser ouvida no julgamento da morte de Bernardo Boldrini, em Três Passos, a delegada Caroline Machado, que investigou o caso, confirmou que Graciele Ugulini, madrasta do menino, pagou R$ 6 mil reais como recompensa pela ajuda na realização do crime. Outros R$ 90 mil teriam sido prometidos. O julgamento é conduzido pela juíza Sucilene Engler e começou na manhã desta segunda-feira (11). No banco dos réus também estão o pai da criança, Leandro Boldrini, e Edelvânia Wirganovicz e seu irmão Evandro Wirganovicz.

A delegada resumiu para a juíza as conclusões da investigação. Ela era titular de Três Passos e esteve a par de todas as diligências. Caroline disse que a opinião geral era de que Bernardo sofria com abandono e desafeto do pai. "Vários depoimentos nesse sentido", afirmou.

Para delegada, demora no registro do desaparecimento fez parte de estratégia dos réus para montar álibi. Leandro teria efetivamente procurado o filho dois dias depois. Bernardo "era torturado psicologicamente", apurou a Caroline, que lembra que as duas rés foram reconhecidas comprando ferramentas, soda cáustica e midazolan. Também foi apurado que várias ampolas de midazolam estariam faltando na clínica onde Leandro, médico, trabalhava.

O depoimento da delegada Caroline Machado prosseguia até as 16h20 desta segunda. Defesa de Graciele faz perguntas.

 

Relembre: 

Bernardo Boldrini foi assassinado em abril de 2014, na época com 11 anos. O crime teve desfecho em Frederico Westphalen, onde o corpo foi ocultado. O Ministério Público aponta o pai da criança, Leandro Boldrini, a madrasta, Graciele Ugulini, Edelvânia Wirganovicz e seu irmão Evandro Wirganovicz como responsáveis pelo crime. Boldrini e Graciele são indiciados por homicídio quadruplamente qualificado. Em razão de motivos torpe e fútil, emprego de veneno e recurso que dificultou defesa da vítima. O médico – bastante conhecido na região de Três Passos – também cumpre pena por ocultação de cadáver e falsidade ideológica. Edelvânia Wirganovicz, amiga de Graciele,responde por homicídio triplamente qualificado, enquanto Evandro Wirganovicz, irmão de Edelvânia, por homicídio duplamente qualificado.


Jornal NH
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Capa do dia

FOLHEIE O SEU JORNAL PREFERIDO NA TELA DO SEU COMPUTADOR.

ACESSE ASSINE AGORA
51 3600.3636
CENTRAL DO ASSINANTE

51 3591.2020
CENTRAL DE VENDAS DE ASSINATURAS