Olá leitor, tudo bem?

Use os í­cones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, ví­deos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.
VOLTAR
FECHAR

Rua Jornal NH, 99 - Bairro Ideal - Novo Hamburgo/RS - CEP: 93334-350
Fones: (51) 3065.4000 (51) 3594.0444 - Fax: (51) 3594.0448

PUBLICIDADE
Viver com saúde

Sem preguiça de passar bem o filtro solar; dermato dá dicas

Uso correto do protetor pode evitar problemas como envelhecimento precoce, manchas e até o câncer de pele
31/12/2018 15:31

Foto por: Pixabay/Skeeze
Descrição da foto: Piores queimaduras costumam acontecer pelo exagero e afobação dos banhistas no primeiro dia de praia ou piscina
Para não correr riscos, esqueça a preguiça e faça corretamente o ritual de "passagem" do filtro antes de se expor à radiação solar, especialmente das 10 às 16 horas. Não é exagero, não: o uso correto do filtro e das medidas de proteção ajudam a evitar o câncer de pele.

Foto por: Divulgação
Descrição da foto: Presidente eleita da Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD) no RS, Taciana Dal'Forno Dini
Além disso, agem contra o envelhecimento precoce, aparecimento de manchas e das lesões pré-malignas, como a ceratose actínica, alerta a presidente eleita da Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD) no RS, Taciana Dal'Forno Dini. As queimaduras do sol não devem ser relevadas: cada uma delas pode contribuir para o desenvolvimento, no futuro, de um possível tumor maligno, que é muito frequente no Brasil, principalmente no Rio Grande do Sul e Santa Catarina.

Na temporada de praia e piscina, as piores queimaduras costumam acontecer pelo exagero e afobação dos banhistas. "É bastante frequente queimadura solar no primeiro dia de exposição", avisa a dermatologista, explicando que muitas pessoas querem ter aquele "bronze" do dia para a noite. Tomar sol é bom, "libera endorfinas, ajuda na produção de vitamina D", mas os cuidados são obrigatórios.

Dias nublados

E lembre-se: mesmo embaixo do guarda sol ou em dias nublados é fundamental o uso do filtro, já que a areia reflete 25% da radiação, e as nuvens não conseguem filtrar totalmente os raios. "Se ela (a nuvem) não é espessa, pode deixar passar até 90% de radiação", explica.


Frequência da aplicação

A quantidade de vezes que o filtro deve ser aplicado vai depender do horário no qual a pessoa se expõe à radiação solar.

- Entre as 10 e 16 horas, em exposição direta: pessoas com a pele clara, que tem história de câncer de pele na família, olhos claros ou cabelos claros devem reaplicar de hora em hora.

Imersão na água por mais de 20 minutos: é indicada a reaplicação, mesmo que o filtro for resistente à água, pois 20 minutos depois a tendência é de diminuição da proteção.

Para quem tem melasma

A profissional ressalta que pessoas que possuem melasma, problema comum na face das mulheres brasileiras, o fator de proteção deve ser mais alto, inclusive, deve englobar a proteção à luz visível, que é conferida pelo pigmento de cor de maquiagem que apresenta o filtro.

Recomendações

As recomendações vão desde passar uma boa camada do filtro solar a usar chapéu e óculos escuros. O produto precisa ser aplicado pelo menos de 20 a 30 minutos antes da exposição. A pessoa deve procurar cobrir toda a superfície corporal que está exposta. É importante não esquecer das orelhas, do dorso do pé e pedir ajuda para alguém aplicar nas costas.

"A camada não pode ser muito fina porque todos os estudos com fator de proteção solar são feitos com uma quantidade boa de filtro. Se a pessoa aplica uma camada muito fina e espalha muito, o fator de proteção pode reduzir até 1/3 do que está no rótulo. Não precisa ficar uma camada branca espessa, mas pode ficar uma camadinha aparente, sim", sugere.

Outras áreas que não podem ser esquecidas são os lábios, principalmente o inferior porque é um local de bastante incidência de radiação solar. A dica da médica é o batom com filtro ou, até mesmo, o próprio filtro usado no restante do corpo.

Já para evitar queimar o couro cabeludo é mais segura a proteção física, por meio de chapéu grosso, com a trama de palha bem fechada ou com tecido, de preferência escuro. Existe a opção de filtro em spray para o couro cabeludo, mas Taciana não os indica, pois os cabelos dificultam a aplicação, além de não deixar um aspecto bom nos cabelos.

As pálpebras também devem receber filtro solar. Com o suor, algumas pessoas podem sentir ardência nos olhos. Neste caso, ela indica a troca do produto. "Algumas pessoas têm alergia, sentem coceira, quando tem coceira, prurido associado, este filtro não deve mais ser utilizado", afirma.

Qual fator de proteção usar?

A SBD recomenda o uso de filtro solar de fator pelo menos de 30. "A regra básica é que quanto mais clara a pele, quanto maior a sensibilidade, a radiação solar, quanto maior a chance de queimadura, maior deve ser o fator de proteção solar. Quanto mais escura a pele, pessoas mais morenas ou negras, às vezes, até, a proteção solar equivale ao filtro de fator de proteção solar 15. Mas isso não é uniforme, é geneticamente determinado, então todas as pessoas devem se proteger", recomenda.

Cuidado redobrado com bebês

Até os seis meses, os bebês não podem usar filtro solar e não devem ser expostos diretamente ao sol no horário das 10 às 16 horas. "Não existem estudos mostrando segurança na aplicação destes filtros solares que nós utilizamos em bebês antes de seis meses". A sugestão é procurar usar roupas que têm fator de proteção, chapéu, boné, ficar à sombra, usar guarda sol que não se enxergue a luz do sol.

Jornal NH
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Capa do dia

FOLHEIE O SEU JORNAL PREFERIDO NA TELA DO SEU COMPUTADOR.

ACESSE ASSINE AGORA
51 3600.3636
CENTRAL DO ASSINANTE

51 3591.2020
CENTRAL DE VENDAS DE ASSINATURAS