Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.
VOLTAR
FECHAR

Rua Jornal NH, 99 - Bairro Ideal - Novo Hamburgo/RS - CEP: 93334-350
Fones: (51) 3065.4000 (51) 3594.0444 - Fax: (51) 3594.0448

PUBLICIDADE
Ginecologia

TPM: sobe e desce de sentimentos

Em sua forma mais grave, chamada de Síndrome Pré-Menstrual, tensão ganha classificação de doença e exige tratamento medicamentoso
29/07/2019 16:47 29/07/2019 16:58

Três letras que definem um turbilhão de sentimentos que aproximadamente 80% das mulheres pelo mundo em fase fértil já vivenciaram pelo menos por uma vez na vida. É uma verdadeira montanha-russa, daquelas cheias de sobe e desce, pois instantes depois de dar risada é possível ver uma mulher de TPM em lágrimas. E nada de achar que isso é apenas alguma frescura das meninas nesta fase: em alguns casos, a Tensão Pré-Menstrual – TPM – pode deixar uma mulher incapacitada de fazer suas atividades cotidianas.

A ginecologista e obstetra Korine Camargo explica que a intensidade e o tipo de sintomas variam de mulher para mulher, mas podem ocorrer desde a menarca (primeiro fluxo menstrual) até a menopausa. “Geralmente, a maioria das mulheres busca ajuda para a TPM por volta dos 30 anos, após 10 anos ou mais convivendo com os sintomas”, destaca a profissional de Novo Hamburgo. Estes sintomas incluem aumento do tamanho e da sensibilidade das mamas; dor e inchaço nas pernas e, às vezes, no corpo todo; ganho de peso; cefaleia; fadiga; aumento do volume abdominal; acne; ansiedade; irritabilidade; depressão; mudanças de humor; depreciação da autoimagem e alteração do apetite.

Diferentes grause tratamentos

Foto por: Divulgação
Descrição da foto: Korine Camargo, ginecologista e obstetra
A médica explica que a TPM mais comum é aquela que não prejudica a vida da mulher. Ela fica irritada, sensível, mas consegue manter sua rotina. "E há também a Síndrome Pré-Menstrual que é bem menos comum, atinge cerca de 3% a 5% das mulheres. É a forma incapacitante: a mulher fica tão deprimida, tão irritada, com tanta dor de cabeça que não consegue fazer suas atividades. É classificada como doença, no código de doenças médicas do CID. Quando muda de fase, se agrave, ela tem esse nome. A TPM normal a gente tolera e deixa passar e a Síndrome Pré-Menstrual precisa de uma mudança de estilo de vida e até tratamento medicamentoso", detalha.

Korine ainda explica que o tratamento hormonal para atenuar os sintomas da TPM é o anticoncepcional. "A mulher toma a pílula, toma o hormônio, para tentar diminuir estes sintomas. Há vários anticoncepcionais usados para isso, especialmente aqueles que contêm um hormônio chamado drosperinona. Para quem tem indicação de usar, é uma medicação que ajuda", diz.

 

Por que interfere no humor?

Korine lembra que a TPM é um conjunto de sintomas que atua de forma cíclica no organismo da mulher, trazendo, além dos sintomas físicos, muita alteração hormonal que interfere no humor. "É uma gangorra hormonal. O estrogênio e a progesterona são os principais hormônios envolvidos neste processo, não se sabe exatamente como é a ação deste mecanismo, mas eles interferem na produção de serotonina, cerca de cinco dias antes da menstruação, mas a gente sabe que isso pode se estender ou variar. Hoje em dia já se aceita que os sintomas possam ocorrer durante a menstruação e até alguns dias depois dela porque esta gangorra hormonal pode levar ainda alguns dias para se equilibrar", cita.

Em vez de comer doce, vá à academia!

Mais do que se entregar a um chocolate, Korine ressalta que a atividade física pode ajudar a atenuar os sintomas da TPM. “Quando fazemos exercícios, são liberadas a dopamina e a serotonina, que são justamente os hormônios ligados à sensação de bem-estar e que ficam prejudicados nesta fase. Então com o exercício físico, principalmente o aeróbico, a gente consegue balancear um pouco mais o outro lado da gangorra. Por isso é comum, nesta fase, ficar um pouco mais irritada ou ter compulsão alimentar. Esta compulsão alimentar está associada a estes neurotransmissores, há algumas vitaminas envolvidas, mas ainda não há estudos determinantes sobre isso, então alguns dados citam que suplementação com vitaminas também pode ajudar”, informa.

A médica ainda reforça a necessidade de uma dieta saudável equilibrada para atenuar os sintomas. “Se a mulher comer um bolo inteiro, por exemplo, vai piorar os sintomas porque o metabolismo fica mais lento e todos os hormônios envolvidos no processo vão continuar desequilibrados. Se ela tem uma dieta mais saudável, com bastante frutas, verduras, a tendência é de que a TPM melhore.”

Jornal NH
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Capa do dia

FOLHEIE O SEU JORNAL PREFERIDO NA TELA DO SEU COMPUTADOR.

ACESSE ASSINE AGORA
51 3600.3636
CENTRAL DO ASSINANTE

51 3553.2020 / 51 992026770
CENTRAL DE VENDAS DE ASSINATURAS