VOLTAR
FECHAR

Rua Jornal NH, 99 - Bairro Ideal - Novo Hamburgo/RS - CEP: 93334-350
Fones: (51) 3065.4000 (51) 3594.0444 - Fax: (51) 3594.0448

Questão de Gênero

Sobre Vivência LGBTQIA+

Série de oito episódios debate experiências de vida da sigla .

Para homenagear o mês do Orgulho LGBT, a Plataforma Gente estreou nessa semana a série “Sobre Vivência”, disponível na Globosat. Durante oito episódios, os entrevistados vão montar um glossário a partir das próprias experiências para explicar cada uma das letras da sigla e falar sobre as vivências de ser um LGBT no Brasil.

SV

A série é baseada no estudo “Respeito às Diferenças”, publicado na Plataforma Gente em novembro de 2018, que mostra que o Brasil é o país que mais mata pessoas LGBTs - lésbicas, gays, bissexuais, travestis e transexuais -, ao mesmo tempo que abriga uma das maiores paradas LGBTs do mundo. Abaixo, assista ao primeiro episódio:

Cada episódio retrata uma letra da sigla LGBTQIA+, conforme a seguir:

Ep. 01 (10/06/2019) L = Lésbicas
Barbara Gancia, Lan Lanh e Niázia Ferreira vão explorar a letra L. O trio vai falar sobre as vivências de cada uma delas, episódios específicos e dificuldades que já passaram.

Ep. 02 (12/06/2019) G = Gays
Caio Braz, Victor diCastro e Alex Lemos falam sobre suas experiências.

Ep. 03 (14/06/2019) B = Bissexual
Luedji Luna e Luci Gonçalves falam sobre bissexualidade.

Ep. 04 (17/06/2019) T = Travesti e Transgênero
Pepita, cantora e influenciadora digital, e Jonas Maria, youtuber e escritor que mostrou seu processo de mudança de gênero.

Ep. 05 (19/06/2019) Q = Queer
Guigo e Lucyfer Lazuli serão os responsáveis por definir o Q, de Queer, pessoas que não se identificam com o binarismo feminino ou masculino.

Ep. 06 (21/06/2019) I = Intersexo
Dionne Freitas e Amiel Vieira vão falar sobre a letra I, que são pessoas intersexo, aquelas que não se encaixam no binário conhecido como sexo feminino e sexo masculino, em questões de hormônios, genitais, cromossomos, ou outras características biológicas.

Ep. 07 (24/06/2019) A = Assexual
Tom Lucena e Walter Mastelaro vão montar o significado para a letra A, de assexual, definido como pessoas que que tem pequeno ou nenhum interesse nas atividades sexuais.

Ep. 08 (26/06/2019) A = Aliado
O apresentador André Rizek e representantes da ONG Mães Pela Diversidade vão contar experiências sobre aqueles que se consideram parceiros da comunidade LGBTQIA+.

"Mulher gosta de macho!"

Série de vídeos do Quebrando Tabu debatem afirmações polêmicas.

Estreou nessa semana o primeiro episódio da série “Mude minha ideia”, produzida pela equipe do Quebrando Tabu para o canal do YouTube da emissora de televisão GNT. No vídeo da semana, Oscar Maroni, empresário e dono de uma famosa casa de prostituição em São Paulo, participa por ser conhecido pelo seu frequente envolvimento em polêmicas, sejam sobre política, sexualidade ou outros temas.

A partir da afirmação "Mulher gosta de macho", ele propõe conversa com pessoas que não concordam com a afirmação. Sentado em uma mesa numa rua, a proposta é promover um diálogo de argumentação com diferentes pontos de vista, em que pessoas comuns confrontam suas ideias a fim de mudarem sua visão sobre o assunto.

Ao total serão dez episódios, todas as terças-feiras. Em cada vídeo, uma personalidade apresenta uma afirmativa “polêmica” e recebe convidados com opiniões contrárias, decididos a mudar a sua ideia através do diálogo de argumentação. Algumas das próximas afirmações a serem debatidas serão: "temos que poder fazer piada sobre qualquer assunto", "não precisa ser magra para ser bonita e saudável" e "o mundo não precisa do feminismo".

Dia Internacional de Luta contra a LGBTfobia

Até agora o ano de 2019 já registra 141 mortes de LGBTs no Brasil.

Neste ano, até 15 de maio de 2019, já foram documentadas 141 mortes de pessoas LGBTs, sendo 126 homicídios e 15 suicídios. Foram 77 gays, 52 travestis e transexuais, 10 lésbicas e 2 heterossexuais (confundidos com gays), com idades entre 16 e 75 anos, tendo maior ocorrência pessoas entre 30 e 49 anos de idade, cujos 44 eram brancos, 37 pardos e 10 pretos.

Acerca das profissões das vítimas, 21 diferentes foram levantadas, com destaque para professores, cabeleireiros e profissionais do sexo, sendo que os estados do Brasil mais violentos estão sendo São Paulo, Bahia, Pará e Rio de Janeiro. Sobre o local de morte, 36 ocorreram na própria residência, 28 em vias públicas e 7 em matagais, e as causas das mortes são 39 por arma branca, 22 por arma de fogo, 13 por espancamento e 8 por estrangulamento.

glag

Estes são dados do Relatório Parcial por Ocasião do Dia Internacional com a Homofobia do Grupo Gay da Bahia, que há 39 anos pesquisa sobre assassinatos LGBTs no país. A expectativa é que tais dados, que confirmam ser o Brasil o campeão mundial de mortes de LGBT, contribuam para que a LGBTfobia seja equiparada legalmente ao crime de racismo e se consiga erradicar a prática, que neste início de ano levou à morte um LGBT a cada 23 horas.

Enquanto isso, aguardamos o Superior Tribunal Federal voltar a analisar, no dia 23 de maio, as punições que podem ser aplicadas por discriminação motivada pela identidade ou orientação sexual, no intuito de criminalizar a homofobia comparando ao crime de racismo. Para saber mais sobre o Projeto de Lei nº 860 de 2019, clique aqui.

Vamos falar sobre... Homens?

Série mostra vivências e questionamentos de homens contemporâneos.

A série de oito episódios "Homem?" aborda o universo masculino por meio do humor, sendo criado e protagonizado por Fábio Porchat, que interpreta Alexandre, um publicitário que sofre de impotência sexual. A estreia ocorreu em 18 de março no canal Comedy Central, sendo exibido todas as segundas-feiras às 22h.

O enredo se centra em quatro amigos, por volta dos trinta e poucos anos, que estão sempre falando de mulheres, bebendo e se gabando de suas conquistas. Mas pela primeira vez em suas vidas, eles devem enfrentar um problema para o qual não conseguem encontrar uma solução: um deles está broxa. Nada funciona: nem o médico, nem o Viagra, nem a terapia.

O programa é como uma versão masculina de “Sex and the City”, em que as roupas bonitas e o sonho de se casar com um príncipe são deixados de lado e se levantam os questionamentos: O que os homens querem? O que os homens podem fazer? O que está acontecendo com os homens na era da masculinidade tóxica? Este é um drama de comédia tentando encontrar, se não as respostas, pelo menos o caminho.

Para assistir a todos os episódios completos, clique aqui no Canal Comedy Central.

Capa do dia

FOLHEIE O SEU JORNAL PREFERIDO NA TELA DO SEU COMPUTADOR.

ACESSE ASSINE AGORA
51 3600.3636
CENTRAL DO ASSINANTE

51 3553.2020 / 51 992026770
CENTRAL DE VENDAS DE ASSINATURAS