Publicidade
Cotidiano | ABC Pra Você | Viver com saúde Saúde mental

Solidão é mais forte aos 20 anos

Estudo ainda revela que sentimento negativo é menor depois dos 60 anos de idade

Publicado em: 20.11.2020 às 03:00 Última atualização: 20.11.2020 às 15:19

A solidão pode ser considerada uma questão de saúde pública prevalente, com impactos no bem-estar e na longevidade. Um estudo da universidade norte-americana Florida State University College of Medicine, publicado em 2017, mostrou que a solidão pode aumentar em 40% o risco de demência, além de tornar a pessoa isolada mais vulnerável a doenças neurodegenerativas, como depressão, hipertensão e diabete. Já pesquisadores da Universidade de Chicago alertaram, em 2018, que a falta de experiências sociais pode ser tão nociva quanto o cigarro. O tema tem gerado tamanha preocupação nos últimos anos, ao ponto de o governo britânico criar um gabinete especialmente voltado a estratégias para enfrentar o problema.

Agora, cientistas da Universidade da Califórnia em San Diego, nos Estados Unidos, afirmam que a solidão seria mais intensa entre os jovens. Segundo o estudo, lançado neste mês pelo The Journal of Clinical Psychiatry, entre os 20 e 29 anos, a solidão atinge o seu pico durante a vida. Por outro lado, após os 60 anos é que as pessoas se sentem menos atingidas por ela.

Análises feitas

As conclusões vieram de uma análise com mais de 2.800 participantes, todos norte-americanos, com idade entre 20 e 69 anos. Nela, os pesquisadores identificaram os fatores psicológicos e sociais que levam a padrões de solidão em diferentes faixas etárias. Em seguida, encontraram uma série de preditores de solidão ao longo da vida. Foi observado que, em todas as idades, pessoas com níveis mais baixos de empatia, compaixão, relações sociais, sem parceiros conjugais e maiores distúrbios de sono também são mais predispostas a se sentirem solitárias. (Fonte: Agência Einstein)

 

Novo pico de solidão aos 40 anos, detalha pesquisa

O estudo também detectou que, aos 40, as pessoas vivem novo pico de solidão. "As pessoas podem começar a perder entes queridos próximos a elas, ao mesmo tempo em que seus filhos estão crescendo e se tornando mais independentes. Isso tem um grande impacto sobre o seu propósito e pode causar uma mudança na autoidentificação, resultando em maior solidão", cita Tanya. Os pesquisadores mostraram ainda que a empatia e a compaixão atuam como bons aliados. "A compaixão parece reduzir o nível de solidão em todas as idades, provavelmente permitindo que os indivíduos percebam e interpretem com precisão as emoções dos outros juntamente com o comportamento útil para com os outros, aumentando assim sua própria autoeficácia social e redes sociais", afirma o autor correspondente do estudo, Dilip V. Jeste. 

Por que os idosos são menos suscetíveis?

Fatores como baixa autoconfiança social e maior ansiedade foram associados à piora na solidão em todas as décadas de idade, exceto após os 60 anos. Outro motivo para os sexagenários serem menos tocados pelo isolamento seria explicado pela associação inversa entre solidão e sabedoria, que tende a ser maior entre as pessoas mais velhas. Para esse grupo, a educação e as queixas de memória são fatores de maior influência para esse sentimento.

De acordo com a autora principal do estudo, Tanya Nguyen, a sensação exacerbada de solidão aos 20 anos pode ser atribuída ao fato de, nesta idade, os jovens precisarem conciliar momentos de grande estresse e pressões para estabelecer uma carreira profissional e encontrar um parceiro para a vida.


Mais praticidade no seu dia a dia: clique aqui para receber gratuitamente notícias diretamente em seu e-mail!

Gostou desta matéria? Compartilhe!
Encontrou erro? Avise a redação.
Publicidade
Matérias relacionadas

Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.