Publicidade
Cotidiano | ABC Pra Você | Viver com saúde BEM-ESTAR

É possível prevenir as crises de herpes?

E cuidado, pois a transmissão do vírus pode ocorrer mesmo quando o portador é assintomático

Publicado em: 14.09.2021 às 06:32 Última atualização: 14.09.2021 às 10:26

O vírus do herpes pode ser um fantasma que assombra silenciosamente, tanto quem é hospedeiro da doença quanto quem nunca teve contato com ela. Silencioso, ele é de muito fácil contágio e de difícil prevenção.

Uma boa forma de prevenção das crises de herpes é através de cuidados na alimentação Foto: Adobe Stock

E, uma vez infectado, manifesta-se quando os gatilhos entram em ação e aparecem as crises. Como, então, prevenir e tratar?

Por ser de fácil contágio, a prevenção da infecção pelo vírus do herpes tipo 1 é bastante difícil. Segundo Alexandre Fabris, médico membro titular da Sociedade Brasileira de Dermatologia, a maioria das pessoas na idade adulta apresenta positividade sorológica para esse vírus, o que dificulta ainda mais a prevenção do contágio, que se dá através de contato direto ou através de gotículas de saliva liberadas durante a fala de uma pessoa infectada para uma pessoa sã, muitas vezes ainda na infância.

Já a prevenção de infecção do herpes tipo 2 é mais simples, através de medidas como uso de preservativos e redução do número de parceiros sexuais.

Alguns cuidados

E não é só durante o surgimento de bolhas ou feridas: ainda que a transmissão seja maior quando o portador apresenta lesões clinicamente visíveis, estudos mostram que a transmissão do vírus de uma pessoa infectada para uma não infectada pode ocorrer mesmo quando o portador é assintomático.

Segundo Fabris, normalmente a apresentação da doença pode ser bastante severa, com lesões acometendo a pele ao redor da boca, lábios e mucosa oral.

"As recorrências geralmente são mais brandas e podem apresentar alguns sintomas antes do aparecimento, os chamados pródromos, caracterizados por sensação de formigamento, pinicação e ardor local."

A herpes é uma doença que afeta cerca de 80% dos brasileiros, conforme dados do Ministério da Saúde de fevereiro de 2019.

Alimentação é a grande aliada na prevenção

Uma vez infectada, a pessoa deve procurar evitar situações que levam ao desencadeamento das crises. "Situações como a de exposição solar sem uso de protetor solar, estresse intenso, privação de sono e alguns alimentos ricos em arginina, como, por exemplo, nozes, pipoca, gelatina e chocolate, devem ser evitadas, pois são gatilhos importantes para o surgimento das crises", explica o dermatologista.

"Pacientes que apresentam crises de herpes de repetição devem evitar alimentos ricos em arginina e preferir alimentos ricos em lisina como leite, feijões, lentilhas, carne vermelha, frango e peixes."

O médico acrescenta que quando aumentamos a ingestão desse aminoácido, há redução da quantidade de arginina intracelular e, portanto, menor substrato para a replicação do vírus.

"Alguns estudos demonstraram que em indivíduos que apresentam crises de repetição, a suplementação de lisina reduz significativamente o número de crises de herpes, além de acelerar a cicatrização das feridas", finaliza.


Receba notícias diretamente em seu e-mail! Clique aqui e inscreva-se gratuitamente na nossa newsletter.

Gostou desta matéria? Compartilhe!
Encontrou erro? Avise a redação.
Publicidade
Matérias relacionadas

Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.