Publicidade
Cotidiano | Entretenimento Nos palcos

Hamburguense traduz Shakespeare para crianças no teatro

Espetáculo Macbeth e o Reino Sombrio, do ator e diretor hamburguense João Pedro Decarli, mostra o autor inglês para o universo infantil

Por Daniela Moraes
Publicada: 12.10.2019 às 15:04

Ator se entusiasma em inventar, imaginar lugares, sair um pouco da realidade Foto: Tom Peres/TOM PERES/ Divulgação
William Shakespeare é considerado um dos maiores dramaturgos de todos os tempos. Temas como vingança, morte, traição, ciúme e assassinato estão em suas obras. Mas que tal trazer essa dramaticidade para o universo infantil? O espetáculo "Macbeth e o Reino Sombrio" faz isso. A versão para crianças é um faz de conta que leva a assinatura do ator e diretor hamburguense João Pedro Decarli, 30 anos. "Toda obra de Arte é sempre uma representação do que acontece. Representamos reis, bruxas, generais de guerra entre outros Somos em dos atores e uma atriz que se dividem em 22 personagens, cada um com sua característica", explica.Técnicas circenses e contação de histórias dão vida ao espetáculo. "Porém, ainda sim trabalhamos com temas que Shakespeare abora, como traições, vinganças, morte e sofrimento, pois acreditamos que isso também é viver. E que todos nós precisamos estar alertas para que não soframos da mesma ambição e orgulho que Macbeth sofre", enfatiza Decarli.

A peça surgiu dentro de uma cadeira da Universidade Estadual do Rio Grande do Sul (Uergs) na qual Decarli é formado. Ele conta que no período em que escrevia o projeto trabalhava num projeto social, o Centro de Vivências Redentora, onde oficinava aulas de teatro para crianças e adolescentes. "Num dos encontros com essas turmas resolvi contar uma história de Shakespeare e percebi que as crianças adoraram todas as tramas vinculadas a história. Foi aí que percebi que Shakespeare pode e deve ser contado para crianças, adolescentes e adultos", assegura. "Contar Macbeth para o público infantil é um desafio, um risco. É isso que me move".

Família e início na arte

Filho da professora Marinei de Mello e do representante comercial Valter Sérgio Decarli, o ator tem lembranças da cidade em que nasceu. "O lugar que mais gosto de estar é no bairro Guarani, onde reside minha vó e grande parte dos meus amigos. Minhas raízes são do bairro e tenho muito orgulho de fazer e ter feito parte dele." Estudou na Escola Municipal São João, no bairro Guarani, na Escola Estadual Pedro Adams Filho, no bairro Operário, e o ensino médio fez no Colégio Wolfram Metzler, no Centro.

Na Escola São João, o ator recorda que a professora de história e de geografia Tatiana Toebe criou um grupo de teatro no contraturno. "Era muito divertido poder criar, sem necessariamente saber o que era que estava sendo criado", conta. Mais tarde, já no Colégio Wolfram Metzler, iniciou-se a oficina de teatro, com a professora e o hoje amiga Rosmeri Lorenzon. "Comecei, influenciado pela Rose, a perceber que levava jeito para as artes cênicas. Um dia um diretor, Marcos Cardoso, me convidou para participar de um espetáculo, com cachê. Foi aí que percebi que era possível viver de Arte".

Texto com temas atuais

O texto Macbeth tem muitas figuras que interessam às crianças: bruxas que aparecem e somem pelo ar, reis, rainhas, fantasmas. Essas figuras servem de ponto de encontro entre o público, os atores e a atriz. O espetáculo trata de temas de comportamento que muitas vezes estão presentes na nossa sociedade, como ganância, orgulho, medo.

A criança inquieta

E como era a criança João Pedro Decarli? "Era uma criança inquieta, assim como ainda o é enquanto adulto. Sempre brincando na rua, com os amigos e amigas, criando histórias de caça ao tesouro, pega-pega. Adorávamos criar histórias de casas assombradas no bairro. Ao lado da casa da minha vó havia uma casa "abandonada", onde passamos muito tempo da infância. Na época me lembro que apelidamos a casa de "casarão", pois ela parecia uma casa enorme", recorda.

Teatro na escola

Na escola São João, o ator recorda que a professora de história e de geografia Tatiana Toebe, criou um grupo de teatro no contraturno. “Era muito divertido poder criar, sem necessariamente saber o que era que estava sendo criado”, conta. Mais tarde, já no Colégio Wolfram Metzler, iniciou-se a oficina de teatro, com a professora e o hoje amiga Rosmeri Lorenzon. “Comecei, influenciado pela Rose, a perceber que levava jeito para as artes cênicas. Percebi que ali podia inventar, imaginar lugares, sair um pouco da realidade, e isso me movia. Um dia um diretor, Marcos Cardoso me convidou para participar de um espetáculo, com cachê. Foi aí que percebi que era possível viver de Arte”.

Prêmios

O Espetáculo "Macbeth e o Reino Sombrio", foi agraciado com diversos prêmios, entre eles Melhor Ator Coadjuvate, Melhor Direção e Melhor Espetáculo, no Prêmio Tibicuera de Teatro Infantil, Melhor Espetáculo no Prêmio RBS e, no último mês fui agraciado com o Prêmio Brasken, na categoria Destaque, pela "Ousadia da Adaptação para o Público Infantil de um dos textos mais soturnos de Shakespeare."

Desafios

Decarli admite que hoje em dia é muito difícil viver de arte no Brasil. "Os projetos de incentivo estão cada vez mais sofrendo cortes". Cada apresentação ele destaca que é única. "Cada pessoa que vê um espetáculo o faz de maneira diferente", diz. Ele acredita que fazer teatro é desafiador. "Fazer teatro é risco e é justamente desse risco o que eu mais gosto", comenta.

Gostou desta matéria? Compartilhe!
Encontrou erro? Avise a redação.
Publicidade

Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.