Publicidade
Cotidiano Espírito Jovem

Aos 84 anos, seu Tassilo leva a vida como um guri

O futebol de botão com os netos, em Novo Hamburgo, é uma diversão para Tassilo João Becker. Ele também joga vôlei e anda de bicicleta no litora

Por Jauri Belmonte
Última atualização: 02.05.2020 às 09:28

Seu Tassilo disputando uma partida de futebol de botão com o neto Felipe Foto: Arquivo Pessoal
Calma, o título não é nenhum repreendimento quanto à juventude na terceira idade. Pelo contrário, um elogio. Aliás, várias são as situações que nos mostram que a idade de uma pessoa pode estar mais ligada à forma como esta vê e encara a vida do que, propriamente, às várias primaveras celebradas. Em 2016, por exemplo, Harriette Thompson, que tinha 92 anos, tornou-se a mulher mais velha a completar uma maratona – a de San Diego, na Califórnia. Talvez este seja um entre vários exemplos que podem ser dados de idosos que carregam em sua essência o famoso "espírito jovem".

Mas a história que vamos contar aqui é a do seu Tassilo João Becker, que tem 84 anos e é morador em Novo Hamburgo. Natural de Picada Hartz (hoje Nova Hartz, mas que na época era distrito de Taquara), foi lá que deu os primeiros passos da infância. "Meu pai tinha armazém em Taquara e me recordo de ver os jogos do time da cidade, pois morávamos próximos ao campo. Mas acabei vindo para Novo Hamburgo em 1952 para fazer o curso técnico em Contabilidade na Escola São Jacó. Exerci essa profissão por 20 anos e depois cursei Economia", conta. As brincadeiras com bolinha de gude e futebol de botão da adolescência desenvolveram o gosto que até hoje cultiva com os netos Felipe e Josué Schwartzhaupt (de 15 e 13 anos). 

Seu Tassilo, ao lado dos netos Josué e Felipe, no jogo de futebol de botão Foto: Fotos Divulgação
Como hábitos que passam de geração em geração, de pai pra filho, de avô pra neto, ele lembra que o churrasco em família, no domingo de Páscoa, serviu para relembrar algumas coisas da infância e da juventude. "Minha filha e meu genro moram aqui ao lado da minha casa, o que facilita a minha proximidade com meus netos. Isso é bom demais. No domingo de Páscoa, jogamos futebol de botão. Aproveitei a data para relembrar algumas relíquias do passado e como eram as nossas brincadeiras", lembrou ele, que mora com a esposa Hedi, com quem teve dois filhos. "Eu sempre fui muito ligado à igreja e com o evangelho. Isso me motiva, também fui pastor. Eu e minha esposa temos um programa e gravamos palavra de Deus", explica ele, que também é formado em Teologia. 

Segundo o genro, o advogado André Schwartzhaupt, a lucidez e energia do aposentado vão longe. "Esses dias ele tentou jogar vôlei conosco. Sem contar quando estamos na praia, que ele vai de bicicleta ao mercado. Em uma "era digita", é bom ver esse resgate e integração entre netos e avô", contou. Em 2017, seu Tassilo lançou o livro Memórias Biográficas com Estórias e Histórias. "Ali é um livro em que pude contar tudo que me faz bem, minha família, meus filhos e todas as lembranças da minha vida", disse.

Em 2018, durante o Passeio Ciclístico promovido pelo Grupo Sinos e Serviço Social do Comércio (Sesc), ele e outras 500 pessoas participaram da atividade que fazia alusão aos 91 anos de Novo Hamburgo. Seja no bairro Guarani, no interior ou no Litoral, ao lado dos netos, seu Tassilo seguirá esbanjando juventude.


Quer receber notícias como esta e muitas outras diretamente em seu e-mail? Clique aqui e inscreva-se gratuitamente na nossa newsletter.

Gostou desta matéria? Compartilhe!
Encontrou erro? Avise a redação.
Publicidade
Matérias relacionadas

Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.