Publicidade
Botão de Assistente virtual
Cotidiano | Turismo Turismo

Tendências de viagem que ficarão mesmo após a pandemia

Especialistas apontam o que deve ficar dos hábitos da pandemia

Publicado em: 02.10.2021 às 03:00

Algumas tendências surgidas ou aceleradas pela pandemia vieram para ficar, apontam especialistas. As escapadas na natureza, a (re)descoberta do Brasil pelos viajantes nacionais, a busca por roteiros de bem-estar, a mistura de lazer com trabalho nas viagens e a exigência de vacinação ou teste de Covid devem continuar em alta por um bom tempo.

Interior de Canela, uma das cidades que têm apostado no potencial do turismo rural
Interior de Canela, uma das cidades que têm apostado no potencial do turismo rural Foto: fotos Adobe Stock

A curto prazo, a comprovação de vacina deve se mostrar cada vez mais importante em viagens, como já tem acontecido em muitas áreas.

Para viagem internacional, a exigência de vacinação ou teste de covid é uma tendência fortíssima. Um passaporte de vacina, como proposto pela Associação Internacional de Transporte Aéreo (International Air Transport Association - Iata), não foi instituído mundialmente. Cada país vem definindo suas regras para a entrada de turistas estrangeiros, mas o esquema completo de imunização (duas doses ou a única) geralmente está entre elas

Até no Brasil a vacinação passa a ser pré-requisito de viagem para Fernando de Noronha: sem nenhuma dose não entra mais no destino desde 1º de outubro. Quem tem o esquema de imunização completo não precisa fazer teste PCR ou antígeno de laboratório para entrar no destino pernambucano. Se o turista tomou apenas uma das duas doses pode viajar para o arquipélago até o fim de novembro fazendo o exame de Covid. Depois de 1º de dezembro, só vacinado.

Bem-estar

Após o longo período de isolamento da pandemia, em muitos casos viagens estão acontecendo, com todos os cuidados, com finalidade quase terapêutica. A busca por atividades que promovam o bem-estar leva hotéis a investirem nesse segmento até mesmo para famílias.

Outro ponto é o chamado turismo de proximidade. Os primeiros a voltar na pandemia foram os bate-voltas (passeios perto de casa e as viagens de carro). Enquanto as viagens ao exterior exigem flexibilidade e atenção aos detalhes para lidar com possíveis mudanças causadas pela pandemia, o turismo doméstico segue muito aquecido.

Lazer com trabalho

O anywhere office, possibilidade de se trabalhar de qualquer lugar remotamente, também vem sendo um forte movimento na hotelaria ao longo da pandemia. Empreendimentos criaram quartos voltados para home office e investimento no público local e fizeram adaptações de espaços de pais trabalharem e filhos estudarem. De olho na demanda reprimida por viagens, o setor prevê muitas inaugurações de hotéis no Brasil.

No Airbnb, no segundo trimestre de 2021, as reservas no Brasil já ficaram acima dos números de antes da pandemia. A preferência era por destinos distantes até 500 quilômetros dos centros urbanos, perto da natureza e para conciliar descanso em família com trabalho ou estudo remoto.

Numa pesquisa encomendada pela plataforma ao Ipsos, 82% dos entrevistados dizem ter preferência por viagens de carro para lugares perto de casa e 75% afirmam que o meio ambiente e a sustentabilidade são aspectos importantes a serem considerados em acomodações e destinos.(AE)

Escapadas na natureza e passeios ao ar livre devem continuar em alta por muito tempo

As viagens sustentáveis já vinham sendo discutidas antes da pandemia, no contexto do 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) da Agenda 2030 da Organização das Nações Unidas (ONU), mas a pandemia acelerou o processo e a busca por viagens de natureza.

A combinação de várias dessas tendências vem contribuindo para a recuperação, por exemplo, do turismo de São Paulo. Relatório do órgão do governo paulista indica que o PIB do setor turístico no Estado deve subir 9,3% em 2021 e mais 10,6% em 2022, podendo igualar os resultados de 2019 a partir de junho e ultrapassá-los até dezembro do próximo ano.

Ecoturismo

Brotas, conhecido destino de ecoturismo, ultrapassou, de janeiro a julho deste ano, o total de Imposto Sobre Serviços (ISS) de turismo recolhido no mesmo período de 2019.

Na capital paulista, o Plano de Desenvolvimento Turístico do Polo de Ecoturismo da Cantareira busca estabelecer uma rede de roteiros para passeios na região norte da cidade. "O ecoturismo é uma tendência que está se ampliando mundialmente por ser uma atividade ao ar livre, segura e que nos aproxima da natureza", diz a secretária municipal de Desenvolvimento Econômico, Trabalho e Turismo, Aline Cardoso. O Parque Estadual da Cantareira é uma das maiores florestas urbanas do mundo, com 7.910 hectares. (AE)

Gostou desta matéria? Compartilhe!
Encontrou erro? Avise a redação.
Publicidade
Matérias relacionadas

Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.