Publicidade
Botão de Assistente virtual
Esportes Esportes

Tetraplégicos trocam dedos pela boca e mostram que também têm espaço nos eSports

Por Estadão Conteúdo
Publicado em: 13.06.2022 às 08:54

Deitado na cama e com as costas escoradas por travesseiros, Erik Tiago Leme, de 38 anos, assopra os três bocais de um controle de eSports (esportes eletrônicos) fixado na altura do rosto. Com a boca, ele faz o seu avatar do Free Fire, um jogo online de aventura, saltar, se agachar, atacar e atirar. Pelo mesmo aparelho, usa a boca e o queixo para movimentar a câmera que exibe seu personagem.

"Esse controle tem três furos. Se assoprar o do meio, ele atira. Se assoprar o do meio junto com o buraco esquerdo, ele pula. Foi difícil se adaptar no começo, mas agora está bem mais tranquilo", conta o gamer sobre o Quadstick, um aparelho feito especialmente para gamers com deficiência e mobilidade reduzida conseguirem jogar.

É o caso de Erik, que ficou tetraplégico depois de sofrer um acidente em 2011, quando nadava com os primos em uma lagoa de Araraquara, interior de São Paulo. Ao dar um mergulho frontal, a água deslocou seu pescoço para trás com tanta força que fraturou as vértebras cervicais, a C2 e a C3 ao mesmo tempo.

Erik não consegue mover mais nenhuma parte do corpo do pescoço para baixo, e é dependente de um respirador que o acompanha, imperiosamente, por onde vai. Além disso, a presença do tubo de traqueostomia era um obstáculo para a saída da sua voz que, por anos, parecia um apanhado de falas sem volume.

Entediado de passar horas vendo televisão e sem conseguir conversar, Erik decidiu se arriscar nos eSports para se divertir. Também porque a sua noiva, fã de Free Fire, o incentivou a aprender para que jogassem juntos. Por ser considerado um jogo de estratégia, o Free Fire exige que os integrantes da equipe conversem entre si. Até então, para substituir a voz inócua, Erik usava um aparelho que o ajudava a digitar no computador usando o movimento dos olhos. Mas, depois que começou nos esportes eletrônicos, comprou um aparelho de jogo próprio para sua condição, o Quadstick, e passou a se empenhar mais para retomar a voz visando a melhor interlocução com o time.

"O meu pai não conseguia entender nada do que eu dizia. Era frustrante querer se expressar e as pessoas não entenderem. Quando consegui voltar a falar, a minha vida mudou completamente", disse.

Kevin Lucas Inácio, morador de São Paulo, é conhecido no universo gamer como Cadeira FPS. Hoje com 26 anos, ele nasceu com atrofia muscular espinhal, uma doença degenerativa que o impossibilita de andar e mexer os braços. "É basicamente igual ao Stephen Hawking", explica, referindo ao físico teórico e cosmólogo britânico, reconhecido mundialmente por sua contribuição à ciência - um dos mais renomados cientistas do século.

Mas nem sempre foi assim. Até os 12 anos, Kevin ainda podia contar com parte da sua mobilidade e até usava as mãos para jogar PlayStation 2. Uma escoliose (quando a coluna faz uma curva para a lateral), provocada pela sua doença, porém, apertou o pulmão comprometendo o funcionamento do órgão e tornando-o dependente de um respirador. Como Erik Tiago, ele joga com a boca por meio do Quadstick.

O objetivo é fazer do seu canal na Twitch, um serviço de streaming ao vivo (as lives) muito popular entre os gamers, uma fonte de renda. "O que é ser livre para uma pessoa que depende de outra até para coçar a cabeça? Que liberdade eu posso desejar? A liberdade financeira, talvez. É o único meio que eu vejo", comenta.

Não tem sido tão fácil. Ele conta que o retorno financeiro tão aguardado ainda não veio e que, apesar do desânimo bater algumas vezes, não desiste. "Alguma coisa me diz que as lives vão dar certo. Não sei em que momento, mas elas vão dar certo."

Gabriel Félix, de 25 anos, morador de Buritama, interior de São Paulo, mostra que ser tetraplégico e monetizar com jogos eletrônicos é possível. "Eu cheguei a conseguir, num dia, R$ 1,3 mil na Twitch", conta. "O dinheiro me ajudou a comprar um aparelho de eletroestimulação".

Em 2017, ele sofreu um acidente durante treino de jiu-jitsu, um dia antes de participar do seu primeiro campeonato. Ao tentar aplicar um golpe, o seu pescoço atingiu o chão, comprimindo a medula e fraturando a 5ª vértebra da coluna cervical. "Na hora, eu perdi todos os movimentos. As pessoas até achavam que estava brincando, mas infelizmente era sério e grave".

Há dois anos, ele começou a se aventurar nos esportes eletrônicos. Apesar de jogar apenas por diversão, participa de torneios. As premiações são outra forma de conseguir renda no meio amador. "Eu indico que sou tetraplégico, mas às vezes jogo de igual para igual com quem não tem deficiência", diz.

Um desses adversários foi Gabriel Toledo de Alcântara, popularmente conhecido como Fallen. Ele é jogador profissional. No ano passado, conheceu Gabriel Félix pela Twitch, se sensibilizou com a história dele e resolveu presenteá-lo com a Scorpion, uma cadeira gamer feita para pessoas com deficiência.

"Jogar me ajuda muito na parte psicológica. Até então, eu só assistia à Netflix. Como não tenho movimentos, em diversas situações do jogo, parece que as partidas me dão uma descarga de adrenalina."

O professor Li Li Min, titular do Departamento de Neurologia da Unicamp (Universidade Estadual de Campinas), explica que o hábito de jogar provoca ganhos em processos de reabilitação de pessoas com tetraplegia. "O sistema nervoso não diferencia o real do imaginário. Então, alguém com tetraplegia está ativando regiões do cérebro responsáveis pelo movimento, mesmo que o movimento não ocorra. Isso é uma vantagem em termos de plasticidade de reabilitação", explica.

Os três personagens tiveram dificuldade para conseguir ter o Quadstick, controle que é necessário para um tetraplégico jogar. A tecnologia é produzida por um único fabricante nos EUA, que vende apenas quatro aparelhos por semana. "É disputado pelo mundo todo", comenta Erik Tiago, que teve o seu produto taxado quando tentou importá-lo para o Brasil.

O Quadstick custa US$ 549, o que na cotação atual corresponde a R$ 2.680. Sem contar os custos com a importação do produto e a compra de suportes, como hastes que fixam o aparelho. Os três recorreram às "vaquinhas" ou contaram com a ajuda de amigos que estavam nos EUA e que conseguiram adquirir produto por um preço mais acessível.

Além de pouco inclusivo, o universo dos games também pode machucar. Sob o véu da internet, onde identidades e informações são facilmente manipuláveis e omitidas, os gamers entrevistados pelo Estadão contam que pessoas usufruem de uma falsa liberdade para ofender quando alguém comete um erro nas partidas. "A comunidade do CS Go é muito tóxica", afirma Kevin Lucas, sobre seu jogo favorito, o Counter Strike. "Os argentinos já me chamaram de 'macaco' e 'burro'. Já vi brasileiros falando que eu não sirvo para nada, ou que deveria desinstalar o jogo."

A violência manifestada nas plataformas já levou Gabriel Félix a dar uma palestra sobre o assunto em uma escola. A diretora do colégio o convidou porque viu que os estudantes estavam xingando-o em excesso e que tal comportamento poderia estar associado à prática do esportes eletrônicos. "Eu contei um pouco da minha história e disse a eles para não serem tóxicos com as pessoas porque, muitas vezes, não se sabe com quem está jogando. Às vezes, pode ser uma pessoa igual a mim. Às vezes, o jogador é mais sensível, e não tem um psicológico tão bom. Às vezes, alguém só queria estar ali para se distrair, e não para ser xingada."

Gostou desta matéria? Compartilhe!
Encontrou erro? Avise a redação.
Publicidade
Matérias relacionadas

Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.