Publicidade
Notícias | Especial Coronavírus Imunidade

Especialista explica a pesquisa sobre anticorpos da Covid

Virologista comenta estudo que aponta diminuição progressiva de anticorpos em recuperados

Por Gustavo Henemann
Publicado em: 29.10.2020 às 03:00 Última atualização: 29.10.2020 às 09:36

365 mil pessoas escolhidas na Inglaterra se submeteram a testes regulares em casa Foto: Gilson Abreu/AEN
Um estudo divulgado nesta semana pelo Imperial College London, da Inglaterra, indicou que a imunidade adquirida por quem foi contaminado e curado do novo coronavírus caiu rapidamente, o que abre a possibilidade de reinfecção. A análise britânica, feita a partir de testes de picada no dedo em mais de 365 mil pessoas entre 20 de junho e 28 de setembro, revelou que o número de pessoas com teste positivo caiu 26,5% durante o período de estudo, de quase 6% para 4,4%.

O presidente da Sociedade Brasileira de Virologia e professor da Universidade Feevale, Fernando Spilki, comentou sobre a pesquisa. "O estudo é muito interessante. O desdobramento importante é compreender se estes resultados se repetem em outras populações e qual a magnitude disto em relação ao todo da população em diferentes locais. Outro desdobramento deste e de outros estudos que já apontavam isso, será compreender se este mesmo fenômeno irá ocorrer com as vacinas também", pontuou Spilki.

Imunidade

De acordo com o especialista, a queda de anticorpos ocorre em outros tipos de coronavírus anteriores ao Sars-CoV-2. "É algo que se repete para outras infecções por outros coronavírus tanto em seres humanos quanto outras espécies animais. Diferente de outros vírus, a imunidade para muitos coronavírus não é de fato duradoura. Obviamente, à medida que se façam reforços vacinais, por exemplo, essa imunidade pode ser melhorada", reforçou o professor Fernando Spilki.

Conforme o professor Paul Elliott, diretor do programa do Imperial College London, "nosso estudo mostra que, com o tempo, há uma redução na proporção de pessoas com teste positivo para anticorpos. O teste positivo para anticorpos não significa que você seja imune à Covid-19. Ainda não está claro que nível de imunidade os anticorpos fornecem, ou por quanto tempo essa imunidade dura. Se alguém der positivo para anticorpos, ainda assim precisará seguir as diretrizes nacionais, incluindo medidas de distanciamento social, fazer um teste de esfregaço se apresentarem sintomas e usar coberturas faciais (máscaras) quando necessário", completou Elliott.

 

Redução menor entre jovens

A menor queda foi encontrada no grupo de idade mais jovem, de 18 a 24 anos, caindo de 7,9% para 6,7% (14,9%), enquanto a maior foi encontrada no grupo mais velho, com 75 anos ou mais, diminuindo de 3,3% para 2,0% (39%).

Queda foi observada em diversas regiões

A tendência de queda foi observada em todas as regiões da Inglaterra e faixas etárias, mas não nos profissionais de saúde, o que pode indicar exposição inicial repetida ou maior ao coronavírus, sugerem os autores da pequisa britânica. O declínio de anticorpos foi maior em pessoas com 75 anos ou mais em comparação com pessoas mais jovens, e também em pessoas com infecção suspeita em vez de confirmada, indicando que a resposta de anticorpos varia com a idade e com a gravidade da doença.

Importante manter os cuidados

A professora Helen Ward, uma das autoras principais do relatório, afirmou que "este estudo mostrou que a proporção de pessoas com anticorpos detectáveis está caindo com o tempo. Ainda não sabemos se isso deixará essas pessoas em risco de reinfecção com o vírus que causa a Covid-19, mas é essencial que todos continuem a seguir as orientações para reduzir o risco para si próprios e para os outros."


Receba notícias diretamente em seu e-mail! Clique aqui e inscreva-se gratuitamente na nossa newsletter.

TAGS: coronavirus
Gostou desta matéria? Compartilhe!
Encontrou erro? Avise a redação.
Publicidade
Matérias relacionadas

Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.