Publicidade
Notícias | Especial Coronavírus Regra mantida

Como fica o ensino presencial na bandeira preta

Educação infantil e 1º e 2º anos do Ensino Fundamental poderão ter aulas físicas; demais, apenas na modalidade a distância

Publicado em: 25.02.2021 às 19:15 Última atualização: 26.02.2021 às 13:48

Aulas presenciais na Educação Infantil estão permitidas na bandeira preta Foto: Flávio Dias
O avanço da pandemia fez o governo do Estado cancelar a cogestão, que permitia aos municípios adotarem regras menos severas à bandeira preta. A partir deste sábado (27), o governador Eduardo Leite já antecipou, todo o Rio Grande do Sul entrará em bandeira preta. As restrições, entretanto, não se aplicarão ao Ensino Infantil e aos 1º e 2º anos do Ensino Fundamental.

CONTEÚDO ABERTO | Leia todas as notícias sobre a pandemia 

Segundo o governador, em transmissão pela Internet nesta quinta-feira (25), as escolas municipais e as privadas podem seguir com as aulas presenciais nessas faixas etárias. As demais, assim como o ensino superior, seguem possíveis apenas na modalidade a distância.  

"Nós mantemos na bandeira preta aquilo que foi entendido como alteração necessária para evitar impactos na aprendizagem, no desenvolvimento, capacidade cognitiva e até no desenvolvimento emocional das crianças, que têm maior dificuldade, se não na impossibilidade, do ensino remoto. Por isso a educação infantil e a educação da alfabetização (1ºe 2º) seguem na bandeira preta", destacou Leite.

Há exceção ainda para o atendimento individualizado e sob agendamento para atividades práticas essenciais para conclusão de curso de Ensino Médio Técnico concomitante e subsequente, Ensino Superior e pós-graduação da área da saúde (pesquisa, estágio curricular obrigatório, laboratórios e plantão), e Ensino Médio Técnico subsequente, Ensino Superior e pós-graduação (somente atividades práticas essenciais para conclusão de curso: pesquisa, estágio curricular obrigatório, laboratórios e plantão).

Agravamento da pandemia no RS

Nesta quinta-feira, o Estado alcançou 91% de ocupação nas Unidades de Terapia Intensiva (UTI). Com isso, o governo acionou o último nível da fase 4 do plano de contingência hospitalar. Os hospitais gaúchos, públicos e privados, devem disponibilizar toda a estrutura para atendimento de casos de Covid-19.

 

A última etapa do plano de contingência hospitalar significa que estão esgotadas as possibilidades de alternativas, segundo a secretária estadual de Saúde, Arita Bergmann. “Estamos na última possibilidade de pedir socorro para hospitais e equipes, que é dizer para usar toda a estrutura do hospital. Que usem o bloco cirúrgico, a sala de recuperação, criando ambiente para receber mais gente”, afirma.


Mais praticidade no seu dia a dia: clique aqui para receber gratuitamente notícias diretamente em seu e-mail!

Gostou desta matéria? Compartilhe!
Encontrou erro? Avise a redação.
Publicidade
Matérias relacionadas

Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.