Publicidade
Notícias | Especial Coronavírus AAA

Entenda o novo modelo de gestão da pandemia do RS; novas regras começam a valer domingo

Governo estadual apresentou sexta-feira sistema baseado em alertas e com hierarquia de regramentos

Por Joceline Silveira
Publicado em: 15.05.2021 às 03:00

Reunião entre autoridades na sexta-feira fez o anúncio do novo sistema de monitoramento Foto: Felipe Dalla Valle/Palácio Piratini
O governo do Estado apresentou nesta sexta-feira (14) o novo modelo de monitoramento e gestão da pandemia, que substitui o distanciamento controlado, instituído em 10 de maio de 2020. O Sistema 3As de Monitoramento - Aviso, Alerta e Ação - utiliza dados epidemiológicos e de acompanhamento do serviço de saúde para subsidiar o processo de tomada de decisão dos gestores. Um decreto será publicado neste sábado e as regras passam a valer já neste domingo (16).

Leia todas as notícias sobre a pandemia

Uma das principais mudanças no sistema é que agora a eventual proibição no funcionamento de lojas, bares ou quaisquer outras empresas será definida pelos municípios.

"Aperfeiçoamos o sistema para intensificar a adesão das prefeituras e da população e aplicar novos padrões de monitoramento, como os indicadores de vacinação. Afinal, temos uma nova realidade depois de um ano de modelo de distanciamento controlado e aprendemos muito sobre a pandemia, como monitorar melhor os vários indicadores, e passamos a ter uma leitura melhor dos dados por parte da nossa equipe técnica", disse o governador Eduardo Leite.

"Acredito que todos aprenderam muito, inclusive os prefeitos e toda a sociedade, nos permitindo agora revisar o sistema, simplificando tanto o monitoramento quanto os protocolos", acrescentou.

Ao Estado, caberá fiscalizar um regramento geral que deverá ser seguido por toda a população, como o uso de máscara e manutenção do distanciamento mínimo em locais públicos, bem como normas de cumprimento obrigatório em determinados setores econômicos, como a proibição de pistas de dança ou permanência de clientes em pé durante consumo de comida ou bebida.

Segundo Leite, a medida favorece a governança, aumenta o diálogo com as prefeituras e é adequada ao novo momento da pandemia, considerando também o ritmo da vacinação. "O decreto atualizado será preparado ao longo das próximas horas e enviado às prefeituras ao longo deste sábado para ser publicado até o fim do dia", disse Leite.

Os protocolos

Há três estágios de medidas a serem seguidas:

Os protocolos gerais obrigatórios que devem ser seguidos por todos, em todo o território gaúcho. Estes incluem o uso de máscara, distanciamento mínimo de dois metros, ventilação natural nos ambientes e higienização das mãos em qualquer lugar. No trabalho, fazer a busca ativa por trabalhadores com sintomas respiratórios, assegurar isolamento domiciliar para casos suspeitos, manter o teletrabalho quando possível e manter ocupação alterada nos espaços.

Salas com distanciamento e equipamentos isolados são algumas das medidas adotadas Foto: Diego da Rosa/;GES/Diego da Rosa/GES
Já no trabalho e atendimento ao público é necessário controlar a lotação máxima dos ambientes, fixar cartazes com a lotação e informando sobre o uso de máscara, disponibilizar álcool 70%, definir e respeitar fluxo de pessoas para evitar aglomerações, respeitar o distanciamento mínimo e coibir aglomerações.

Os protocolos de atividades obrigatórios também são determinados pelo Estado e devem ser seguidos pelos setores. Eles foram simplificados e de 143 atividades passaram para 42 grupos de atividades, organizadas pelo nível de risco. Esses protocolos devem ser respeitados em todo o Rio Grande do Sul. As medidas podem ser conhecidas no portal sistema3as.rs.gov.br, onde serão reunidas todas as informações, protocolos e boletins das regiões.

Por último há os protocolos por atividades variáveis. Esses podem ser determinados pela região Covid e devem ser aprovados por dois terços dos prefeitos daquela região. Podem ser mais ou menos restritivos, de acordo com a situação da região. Caso não tenha protocolo regional, o protocolo mínimo do Estado deve ser seguido.

 

Os três níveis do sistema, o chamado AAA

Ao detectar tendência de piora no cenário, o grupo de trabalho da Saúde (GT Saúde) irá emitir um aviso para a equipe técnica da região.

Outras ocorrências, como queda no ritmo da vacinação ou instabilidade nos dados, também levarão o GT Saúde a emitir aviso à região.

Ao receber o aviso, a região deverá redobrar cuidados para o quadro de contaminação, sendo opcional adotar medidas de contenção.

Ao detectar tendência grave de piora no cenário, o GT Saúde informa o Gabinete de Crise sobre a necessidade de emitir um alerta para a região.

Se Gabinete de Crise decide não emitir alerta, a região segue em monitoramento até a próxima reunião do GT Saúde.

Caso o Gabinete de Crise emitir alerta, a região terá 48 horas para apresentar proposta de ações para conter contágio e saturação hospitalar.

Se a resposta for considerada adequada pelo Gabinete de Crise, é imediatamente aplicada, e a região segue sob monitoramento do GT Saúde.

Se a resposta for considerada insuficiente, o governo do Estado poderá determinar ações adicionais a serem aplicadas na região.

Monitoramento começa e há regiões quase em Aviso

O Estado já iniciou o monitoramento pelo novo sistema e algumas regiões já chamam a atenção, podendo receber a primeiro dos trÊs As, o Aviso, caso a tendência de agravamento prossiga.

Segundo destacou o governador Eduardo Leite durante a reunião com deputados, prefeitos e entidades, as regiões de Santo Ângelo, Ijuí e Cachoeira do Sul apresentam piora significativa em indicadores da pandemia, como número de casos confirmados, internações em UTIs e óbitos por Covid.

No entanto, a decisão de emitir Aviso para qualquer região só será tomada após reunião do GT Saúde. A princípio, os encontros semanais de avaliação ocorrerão nas terças-feiras, mas podem ser convocadas a qualquer momento, quando necessário.

O Alerta e a Ação dependerão do Gabinete de Crise, que seguirá se reunindo pelo menos duas vezes por semana, mas que pode ser convocado pelo governador ou pelo GT Saúde sempre que necessário.

 

Gostou desta matéria? Compartilhe!
Encontrou erro? Avise a redação.
Publicidade
Matérias relacionadas

Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.