Publicidade
Notícias | Mundo Tensão

Ataque em Bagdá mata general iraniano e líder de milícia pró-Irã

Mísseis atingiram o Aeroporto Internacional de Bagdá

Por AFP
Última atualização: 03.01.2020 às 06:41

Qasem Soleimani e Abu Mahdi al-Mohandis Foto: AHMAD AL-RUBAYE / IRANIAN SUPREME LEADER'S WEBSITE / AFP
O general iraniano Qasem Soleimani e o líder paramilitar iraquiano Abu Mehdi al-Muhandis morreram na noite desta quinta-feira (2) em um ataque com mísseis na zona do Aeroporto de Bagdá, três dias após manifestantes pró-Irã tentarem invadir a embaixada americana na capital do Iraque, informaram os serviços de segurança.

O general Soleimani era o chefe da força Al-Qods dos Guardiões da Revolução encarregado das operações no exterior, segundo a TV estatal iraquiana e o porta-voz do grupo local. Al-Muhandis era o número dois da Hashd al Shaabi e seu líder operacional.

Os Guardiões da Revolução, o exército ideológico da República Islâmica, confirmaram a morte do general Soleimani e acusaram os Estados Unidos pelo ataque. "O glorioso comandante do Islã Haj Qasem Soleimani ao final de uma vida de servidão morreu como mártir em um ataque americano contra o aeroporto de Bagdá", informou a TV estatal em Teerã.

As vítimas estavam em um comboio das Forças de Mobilização Popular (Hashd al Shaabi), uma coalizão de paramilitares majoritariamente pró-Irã e atualmente integrada ao Estado iraquiano, revelou o porta-voz do grupo Ahmed al-Assadi.

"Três mísseis atingiram o Aeroporto Internacional de Bagdá próximo ao terminal de carga, e dois explodiram", matando ao menos oito pessoas, revelaram funcionários iraquianos, que pediram para não ser identificados.

O Iraque tem sido palco, nas últimas semanas, de uma espiral de tensão que ameaça transformar o país em um campo de batalha entre forças apoiadas por Estados Unidos e Irã.

Desde o final de outubro, militares e diplomatas americanos foram alvo de ataques, e na semana passada um funcionário dos EUA morreu em um bombardeio com foguetes.

Washington, que acusa as Forças de Mobilização Popular de estar por trás do ataque à sua embaixada em Bagdá, na terça, havia atacado no domingo posições do grupo na zona de fronteira com a Síria, matando 25 combatentes.


Mais praticidade no seu dia a dia: clique aqui para receber gratuitamente notícias diretamente em seu e-mail!

Gostou desta matéria? Compartilhe!
Encontrou erro? Avise a redação.
Publicidade

Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.