Publicidade
Notícias | Novo Hamburgo

Diagnóstico

Última atualização: 25.11.2019 às 20:00

A partir do diagnóstico, Brum destaca que foi realizada uma análise e um planejamento. "Foi observado que o que existia na época não estava atualizado e condizente com a realidade do hospital. Então, foi feita uma atualização e implementação através de um treinamento com os funcionários para que eles entendessem as diferenças dos resíduos gerados no hospital e a importância de fazer a segregação corretamente. Por exemplo, quando se tem uma gaze com sangue, ela é considerada um lixo contaminado que, obrigatoriamente, tem que passar por um processo de tratamento térmico e isso gera um alto custo para o hospital. No momento em que eles entendem a importância de segregar corretamente, vai para o saco de resíduo contaminado somente o que é contaminado", diz.

 


Mais praticidade no seu dia a dia: clique aqui para receber gratuitamente notícias diretamente em seu e-mail!

Gostou desta matéria? Compartilhe!
Encontrou erro? Avise a redação.
Publicidade

Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.