Publicidade
Notícias | Novo Hamburgo Cuidados se mantém

Pico da pandemia pode já ter passado em Novo Hamburgo; cuidados devem continuar

Apesar da perda de 91 hamburguenses para a Covid-19, presidente da Fundação de Saúde tem expectativa de que números possam começar a cair

Por João Ávila
Publicado em: 01.08.2020 às 12:26

O mês de julho foi difícil para 69 famílias de Novo Hamburgo que precisaram sepultar seus entes que foram vencidos pelo coronavírus. O mês, que começou com 22 vítimas fatais, terminou com 91 mortos, um crescimento de 313%. Mas a desaceleração na procura por atendimentos no Centro Covid é o alento. Para Rafaga Fontoura, presidente da Fundação de Saúde Pública de Novo Hamburgo, um indicativo de que o pior pode ter passado. "Os números traduzem isso. Acho que passamos pelo pico da pandemia", observa.

Rafaga lembra que o Município teve aumento expressivo nos casos registrados entre junho e julho. "Tínhamos média de 20 atendimentos/dia e depois passamos para 80. Ficamos praticamente três semanas com o Centro Covid atendendo esta média", observa.

Com isso, o hospital lotou sua estrutura, as UTIs atenderam no limite da capacidade. "Passadas estas semanas de pico, a gente pode ver que decresceu muito (o número de casos)."

Para o presidente da Fundação, a tendência é que neste mês Novo Hamburgo possa ter números melhores, "tanto no número de internações, que já reduziu, quando no de óbitos". Para ele, a perspectiva é boa, "mas temos que manter os cuidados, como usar máscara, manter o distanciamento e os hábitos de higiene".

Sobre o crescimento no número de mortes de junho para julho, Rafaga diz que "infelizmente é uma realidade do vírus". Ele sustenta que os pacientes foram atendidos, "porém, a grande maioria dos óbitos são de pacientes do grupo de risco, ou seja, acima de 60 anos e com duas ou mais comorbidades".

E reforça a necessidade de manter os cuidados: "Podemos ter uma estrutura mais que o suficiente, mas se não mantivermos os cuidados, botamos em perigo, principalmente as pessoas do grupo de risco."


Quer receber notícias como esta e muitas outras diretamente em seu e-mail? Clique aqui e inscreva-se gratuitamente na nossa newsletter.

Gostou desta matéria? Compartilhe!
Encontrou erro? Avise a redação.
Publicidade
Matérias relacionadas

Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.