Publicidade
Notícias | Novo Hamburgo Valores invertidos

Hamburguenses sofrem ataques após divulgarem projeto em perfil de Sarah, ex-BBB

Casal que criou site que conecta quem precisa de computadores e tablets com quem pode doar foi convidado pela equipe da então BBB Sarah para divulgar ação. Em vez de doações, receberam ofensas. Saiba como ajudar o projeto

Por Ermilo Drews
Publicado em: 02.04.2021 às 17:01 Última atualização: 02.04.2021 às 17:37

Postagem no perfil de Sarah repercutiu, mas não rendeu doações esperadas Foto: Reprodução
A tentativa de divulgar um projeto que conecta quem precisa com quem pode doar recursos eletrônicos, como tablets, celulares e computadores, terminou frustrada para um casal de hamburguenses. Álisson Rodrigues, 26, e Manoella Treis, 24, são fundadores da Plug Doações, iniciativa que o Jornal NH divulgou quando a ideia foi colocada em prática, em maio do ano passado. Por meio do site plugdoacoes.com.br, eles aproximam quem necessita dos doadores.

O projeto nasceu em meio à pandemia e teve o foco em auxiliar estudantes que se preparavam para o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), mas logo se estendeu para diferentes níveis de ensino e estados do País. Com 10 mil estudantes cadastrados, a iniciativa já beneficiou 550 famílias.

Leia todo o conteúdo EXCLUSIVO ASSINANTES

Com a expansão do projeto, a equipe de Sarah Andrade, então participante do Big Brother Brasil (BBB 21), tomou conhecimento da ação e teve a ideia de divulgá-la no perfil da participante no Instagram, que acumula mais de 7,3 milhões de seguidores. “No dia 23 de março, a assessoria da Sarah entrou em contato com a gente via direct no Instagram e depois nos ligaram e explicaram que, em função dela ter falado algumas bobagens em relação à pandemia, tendo reações negacionistas, pensaram em divulgar trabalhos sociais, como forma de pedir desculpas à população e divulgar informações úteis, e que assim chegaram até a gente”, conta Manoella.

Sem acompanhar o BBB, o casal se informou sobre a popularidade de Sarah e também sobre a rejeição que enfrentava por frases que contemporizavam e até menosprezavam a pandemia. “Sabíamos dos riscos, só que queríamos testar o alcance que uma influencer com mais de 7 milhões de seguidores poderia ter em prol do projeto”, conta Manoella.

E foi aí que a expectativa pela solidariedade foi sucumbida pela triste realidade do ódio nas redes sociais. Com a rejeição de Sarah aumentando, o perfil do projeto foi alvo de críticas e até xingamentos de espectadores do BBB, mesmo com o casal pedindo e a equipe de Sarah deixando claro na publicação que o Plug não compactuava com as falas da BBB relacionadas à pandemia. “Tá parecendo que querem comprar votos" e "Estão rindo da cara dos mortos em troca de computadores" são alguns dos mais de 3,7 mil comentários que constam na publicação no perfil de Sarah. “Foi bem difícil a compreensão das pessoas”, admite Manoella.

Além disso, Manoella e Álisson receberam ofensas pessoais em seus perfis. “A ideia era atingir um público diferente dos jornais, atingindo mais pessoas que pudessem doar ou estariam precisando de computador. Imaginávamos que haveria riscos, mas não sabíamos que as pessoas seriam tão agressivas e sem educação, sendo que é um trabalho que agente faz de forma voluntária, pensando no social e na educação do país”, lamenta Manoella. “Tive que bloquear meu perfil no Instagram por causa dos ataques”, conta.

E, infelizmente, a solidariedade não acompanhou o ritmo do ódio nas redes sociais. Depois da publicação, o projeto conseguiu três doações e 30 reais. “Caiu por terra a questão imagem mágica de influencer", avalia Manoella.

Para se cadastrar para receber equipamentos como notebook, computador e tablet, ou realizar doações, você pode acessar o site plugdoacoes.com.br e acompanhar o perfil do projeto no Instagram: @plugdoacoes


Mais praticidade no seu dia a dia: clique aqui para receber gratuitamente notícias diretamente em seu e-mail!

Gostou desta matéria? Compartilhe!
Encontrou erro? Avise a redação.
Publicidade
Matérias relacionadas

Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.