Publicidade
Notícias | Novo Hamburgo Atropelamento

Após pagar fiança e ser liberado, motorista que atropelou crianças volta a ser preso em Novo Hamburgo

Prisão ocorreu na tarde desta quarta-feira. Segundo a polícia, homem fugiu do local sem prestar socorro

Por Joyce Heurich
Publicado em: 07.04.2021 às 16:58 Última atualização: 12.04.2021 às 13:16

O motorista que atropelou uma senhora e duas meninas, de 2 e 3 anos, na última semana em Novo Hamburgo foi preso preventivamente na tarde desta quarta-feira (7). O homem, de 26 anos, já havia sido preso em flagrante, logo após o atropelamento, por fugir do local sem prestar socorro, mas pagou uma fiança de R$ 3 mil e foi liberado. Segundo a Polícia Civil, ele ficou em silêncio durante o depoimento e se recusou a fazer o teste do etilômetro.
 

Leia todo o conteúdo EXCLUSIVO ASSINANTES

A prisão preventiva foi decretada pela juíza Claudia Caprio Tarasconi. Na decisão, a magistrada afirma que a liberdade do condutor representa risco à ordem pública, e que isso ficou demonstrado no conjunto probatório apresentado pelo Ministério Público do Estado.

"Após atropelamento de senhora idosa e de duas crianças, o flagrado imediatamente empreendeu fuga do local, trafegando em alta velocidade, colocando em risco a integridade física daqueles que utilizavam a via denotando extrema audácia e periculosidade, total descaso, ignorando a gravidade das lesões causadas nas vítimas e, caso permaneça em liberdade, voltará a delinquir, não sendo, destarte, possível, a aplicação de medida cautelar diversa, mormente porque demonstrou total indiferença e desrespeito para com o ser humano", diz trecho da decisão.

"A segregação se faz necessária, outrossim, para evitar a reprodução de fatos semelhantes, pois em liberdade, certamente encontrará o indiciado estímulos para continuar na prática criminosa", conclui a juíza.

O caso aconteceu na tarde da última quinta-feira (1) no Bairro Pátria Nova. Acompanhadas da avó, as irmãs Helena Freitas Peteffi e Luana Freitas Peteffi atravessavam a Avenida Primeiro de Março, na faixa de segurança, quando foram surpreendidas pelo carro, um Audi A3. 

"Ele [o motorista do Audi] vinha no sentido Maxxi-Centro. Um senhor reduziu a velocidade para elas terminarem a passagem delas até a calçada. Esse rapaz vinha um pouco mais rápido, chegou a bater no carro do senhor e pegou elas no cordão da calçada", relata o pai das crianças, Ismael Peteffi.

Segundo relatos de testemunhas à polícia, antes de deixar o local em alta velocidade, o homem chegou a descer do carro para olhar a situação das vítimas e os danos no veículo. Ele fugiu sem prestar socorro. Câmeras de segurança registraram o ocorrido, mas até a tarde desta quarta, as imagens não haviam sido divulgadas pela Polícia Civil. 

"As câmeras pegaram o camarada fugindo. Desceu do carro, olhou, viu minha filha em cima da calçada, entrou no carro e foi embora. Eu não conseguiria. Ele alegou na delegacia que ele podia ser linchado, mas as câmeras mostram claramente que não", conta Ismael.

As duas meninas precisaram ser hospitalizadas. A mais velha ganhou alta no sábado. A mais nova segue na UTI do Hospital Regina. A família está inconformada com a situação. "A gente pode ter mais tolerância no trânsito, um pouco mais de calma, a gente precisa de uma harmonia melhor no convívio com a comunidade", desabafa o pai.

Contraponto da defesa

Para o advogado Leonardo Brunetti Macedo, existem provas de que o acusado parou para prestar socorro. "Há depoimentos e outros elementos que serão oportunamente destacados pela defesa em juízo", sustenta. Além disso, segundo ele, "nunca se evadiu da ação da autoridade policial, de modo que esteve à disposição, a todo momento".

O motorista teria se sentido ameaçado. "Não podemos desprezar, também, o fato de que a comoção popular em ocasiões como essa faz com que as pessoas se tornem agressivas e queiram, mesmo sem saber detalhes do ocorrido, fazer justiça com as próprias mãos. Houve uma revolta instantânea, inclusive de pessoas que não presenciaram o fato, tal como aconteceu, mas se uniram em meio à pressão do acontecimento para segurá-lo, de modo agressivo."


Receba notícias diretamente em seu e-mail! Clique aqui e inscreva-se gratuitamente na nossa newsletter.

Gostou desta matéria? Compartilhe!
Encontrou erro? Avise a redação.
Publicidade
Matérias relacionadas

Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.