Publicidade
Botão de Assistente virtual
Notícias | Novo Hamburgo FUNCIONALISMO

Aprovado reajuste de 10,89% para os servidores municipais e vereadores de Novo Hamburgo

Projeto foi aprovado nesta quarta-feira pelo Legislativo e agora volta para a Prefeitura para virar lei; auxílio-alimentação também sobe

Por Redação
Publicado em: 12.05.2022 às 11:50 Última atualização: 12.05.2022 às 11:52

Com 11 votos favoráveis e dois contrários, a Câmara Municipal de Novo Hamburgo aprovou nesta quarta-feira (11), em votação final, projeto de lei do Executivo que reajusta os vencimentos de servidores ativos, inativos e pensionistas da administração direta, autarquias e Legislativo. A correção será de 10,89%, abaixo dos 11,3% do Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) acumulados nos últimos 12 meses.

Reajuste salarial do Legislativo e do Executivo de Novo Hamburgo é aprovado pelos vereadores; servidores queriam índice maior
Reajuste salarial do Legislativo e do Executivo de Novo Hamburgo é aprovado pelos vereadores; servidores queriam índice maior Foto: Moris Mozart Musskopf/CMNH
Com a aprovação do texto original, a matéria retorna agora às mãos da prefeita Fatima Daudt (PSDB) para ser transformada em lei. Segundo a Câmara Municipal, a revisão será retroativa ao mês de abril, data-base adotada para a reposição inflacionária no Município.

Na justificativa do projeto o governo explica que o reajuste proposto considera “a atual situação econômico-financeira do Município, bem como as expectativas para as receitas ao longo do corrente exercício de 2022”. Descontentes com o argumento, os parlamentares sugeriram a elevação do índice para 15% após ouvirem a manifestação de líderes sindicais. O percentual seria suficiente, no entendimento de representantes da categoria, para alcançar o piso salarial de professores e agentes comunitários de saúde.

Emenda rejeitada

Autores de uma emenda prevendo um reajuste que recompõe as perdas inflacionárias, os vereadores Enio Brizola (PT), Felipe Kuhn Braun (PP), Inspetor Luz (MDB) e Lourdes Valim (Republicanos) tentaram atender a demanda do funcionalismo por um percentual maior. Sem reajuste há três anos, os servidores esperavam a recuperação total das perdas provocadas pela inflação durante o período de congelamento.

Conforme o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), a variação apurada entre abril de 2019 e março de 2022 foi de 21,99%. Nos últimos 12 meses a variação do IPCA chegou a 11,3%. A emenda foi analisada pela Comissão de Constituição e Justiça e acabou rejeitada pelos três membros, os vereadores Fernando Lourenço (Avante), Gerson Peteffi (MDB) e Gustavo Finck (PP). Eles entenderam que não haveria previsão orçamentária para reajuste maior que o previsto.

Reajuste salarial do Legislativo e do Executivo de Novo Hamburgo é aprovado pelos vereadores; servidores queriam índice maior
Reajuste salarial do Legislativo e do Executivo de Novo Hamburgo é aprovado pelos vereadores; servidores queriam índice maior Foto: Moris Mozart Musskopf/CMNH

Vale para os agentes políticos

O índice aprovado nesta quarta-feira será estendido aos ocupantes de cargos em comissão, prefeita, vice-prefeito e secretários. Adicionais de dedicação plena e funções gratificadas e de confiança também serão revisados. Já o reajuste do subsídio dos vereadores foi aprovado em matéria separada, mas obedecendo ao mesmo índice de 10,89%.

Auxílio-alimentação também sobe

Além dos vencimentos e subsídios, a Câmara aprovou ainda a atualização dos valores pagos sob forma de auxílio-alimentação. O projeto de lei 29/2022, válido para servidores efetivos da Prefeitura e do Ipasem, e o projeto 38/2022, destinado aos funcionários da Comusa, reajustam a quantia mensal em 22,22%, passando de R$ 315,00 para R$ 385,00.

O benefício também é pago aos cargos comissionados da administração direta e do instituto previdenciário que, hoje, percebem remunerações mensais de até R$ 3.279,32. No Legislativo, a revisão do auxílio é regrada pelo projeto 30/2022, assinado pela Mesa Diretora. Utilizando o mesmo índice de 22,22%, o valor mensal é reajustado de R$ 487,00 para R$ 595,21.

Para o projeto virar lei

Para que um projeto se torne lei depois de aprovado em segunda votação, ele deve ser encaminhado à Prefeitura, onde poderá ser sancionado e promulgado (assinado) pela prefeita. Em seguida, o texto deve ser publicado, para que todos saibam do novo regramento. Se o documento não receber a sanção no prazo legal, que é de 15 dias úteis, ele volta para a Câmara, que fará a promulgação e ordenará sua publicação. Quando isso ocorre, é dito que houve sanção tácita por parte da prefeita.

Há ainda a possibilidade de o projeto ser vetado (ou seja, rejeitado) parcial ou totalmente pela prefeita. Nesse caso, o veto é analisado pelos vereadores, que podem acatá-lo, e então o projeto não se tornará lei, ou derrubá-lo, quando também a proposta será promulgada e publicada pela Câmara.

Gostou desta matéria? Compartilhe!
Encontrou erro? Avise a redação.
Publicidade
Matérias relacionadas

Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.