Publicidade
Notícias | País Palanque

Luciano Huck discursa em evento, mas não se compromete com candidatura à Presidência

Apresentador é considerado a principal incógnita das eleições de 2022. Em evento da revista Exame, fez discurso de palanque, mas não se comprometeu em ser candidato

Última atualização: 10.09.2019 às 09:59

Foto por: Facebook-Luciano Huck/Reprodução
Descrição da foto: Luciano Huck, apresentador da Rede Globo
Principal incógnita das eleições de 2022, o apresentador Luciano Huck subiu ao palco de evento realizado pela revista Exame a empresários na, segunda-feira (9), à noite, com um discurso de palanque, mas sem se comprometer com uma possível candidatura.

Em quase 1 hora de um discurso com forte peso social disse por diversas vezes que está fora de sua zona de conforto e que quer "contribuir como for possível" para o País.

"Eu quero ser um cidadão cada vez mais ativo, contribuir como for possível para tornar o País mais eficiente", disse, completando: "Eu poderia continuar sendo um peixinho dourado lá no aquário, protegido pelos muros do Projac, sendo alimentado com fartura, fazer o que faço tranquilo - e gosto. Ou poderia me jogar no oceano e tentar contribuir para que Brasil seja um País melhor".

Se no início Huck foi recebido como celebridade, com a curiosidade da plateia que levantada celulares para fotografar e filmar o ícone famoso, ao final, o apresentador foi aplaudido de pé pelo tom político. Os aplausos, protocolares no início, ganharam corpo ao longo do discurso, sobretudo quando o apresentador tocou em temas sociais. Os primeiros, vieram após Huck dizer que é inevitável investir em uma política de proteção social nos próximos anos para evitar a miséria da geração que hoje está mais velha e ainda é pobre.

Os segundos aplausos vieram quando criticou o prefeito do Rio de Janeiro, Marcelo Crivella, que mandou fiscais recolherem revistas em quadrinhos não lacradas que continham dois homens se beijando. "O povo não está preocupado com o desenho do casal que está no gibi da Marvel. As pessoas querem saber como a vida delas pode melhorar", disse.

Questionado, Huck disse não se arrepender dos movimentos feitos durante as eleições de 2018, mas ponderou que um "tsunami político" atingiu o seu dia a dia. Para ele, o movimento de renovação da política "saiu mais forte desse (último) ciclo eleitoral". O apresentador destacou sua participação no RenovaBR e do movimento Agora, que propõem uma renovação política, e disse ter considerado os movimentos civis uma forma "mais inteligente" de contribuir para o País.

Apesar de ter dito várias vezes que não tem, com a agenda dos movimentos que faz parte, um projeto "de poder ou eleitoral", Huck lembra o tempo todo o país que tem em mente: "Acredito no sonho de um país maior, mais eficiente e afetivo em relação às pessoas", disse.

Desigualdade social
O apresentador evitou se colocar como candidato durante o evento, mas deixou claro que algo precisa ser feito pela elite do País na área social. "Todos aqui (na plateia do evento) somos privilegiados, mas se a gente não fizer nada, este País vai implodir. O abismo social é gigantesco, a desigualdade social é enorme, é inaceitável", disse.

Segundo ele, há uma agenda econômica em andamento que é eficiente e vai melhorar a vida de quem investe e tem recursos, mas, para melhorar a vida do povo "vai dar muito trabalho". De acordo com Huck, é preciso discutir a mobilidade social no País, que "deixou de existir". "Nós precisamos discutir seriamente mobilidade social no Brasil. O Brasil já teve mobilidade social, não tem mais. Se você nascer pobre numa favela, a chance de morrer pobre numa favela é enorme", disse.

Com informações do jornal O Estado de S.Paulo

Gostou desta matéria? Compartilhe!
Encontrou erro? Avise a redação.
Publicidade

Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.