Publicidade
Notícias | País CPI DA COVID

Acusado de mentir à CPI da Covid, ex-diretor da Saúde paga fiança deixa prisão

A ordem partiu do presidente da comissão, Omar Aziz (PSD-AM), que apontou falso testemunho no depoimento de Dias

Por Estadão Conteúdo
Publicado em: 08.07.2021 às 07:47 Última atualização: 08.07.2021 às 07:47

Após passar algumas horas na Delegacia do Senado e pagar fiança de R$ 1,1 mil ao ex-diretor do Departamento de Logística do Ministério da Saúde Roberto Ferreira Dias foi solto no final da noite desta quarta-feira (7). O ex-funcionário da Saúde saiu preso da CPI da Covid, no fim da tarde. A ordem partiu do presidente da comissão, Omar Aziz (PSD-AM), que apontou falso testemunho no depoimento de Dias.

Leia todas as notícias sobre o coronavírus

À mesa, ex-diretor do Departamento de Logística do Ministério da Saúde, Roberto Ferreira Dias Foto: Agência Senado/Edilson Rodrigues

Acusado pelo policial militar Luiz Paulo Dominghetti de pedir propina em negociação para compra de vacinas contra coronavírus, Dias foi pego em contradição ao dizer que o encontro com o homem que tentava vender o imunizante havia sido "acidental", quando conversas gravadas desmentiram essa versão. O auto de prisão apresenta uma lista de 12 contradições do ex-diretor.

Depois de muito tumulto e um racha no grupo majoritário da CPI, conhecido como G-7, Dias foi detido pela Polícia Legislativa. "Os áudios que nós temos do Dominghetti são claros", afirmou Aziz. O presidente da CPI fazia referência a mensagens de voz trocadas entre o policial militar, o coronel Marcelo Blanco, ex-assessor do Ministério da Saúde, e um outro interlocutor chamado Guilherme Filho Odilon, que já falavam na negociação da vacina com Dias. Os áudios foram revelados pela CNN Brasil.

O Código Penal, em seu artigo 342, classifica o crime de perjúrio como o ato de fazer afirmação falsa em investigação como crime punível com reclusão de dois a quatro anos e multa. Para Aziz, Dias cometeu "perjúrio" em seu depoimento ao negar que havia combinado um encontro com o policial militar Luiz Paulo Dominghetti, que o acusou de pedir propina para vender vacinas ao governo.

Gostou desta matéria? Compartilhe!
Encontrou erro? Avise a redação.
Publicidade
Matérias relacionadas

Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.