Publicidade
Botão de Assistente virtual
Notícias | País Política

Em passagem pelo Rio Grande do Sul, Bolsonaro visita a Fenasoja

Feira em Santa Rosa deve movimentar cerca de R$ 1 bilhão em negócios

Publicado em: 07.05.2022 às 16:39 Última atualização: 07.05.2022 às 16:40

O presidente Jair Bolsonaro esteve neste sábado (7) na cidade de Santa Rosa, no interior do Rio Grande do Sul, onde participou da Feira Nacional da Soja (Fenasoja). "A Fenasoja, berço da soja brasileira, uma exposição de voluntários que mostra para o Brasil e para o mundo a força do homem do campo", declarou Bolsonaro. "O trabalho de vocês, de domingo a domingo, de sol a sol, nos orgulha".

Jair Bolsonaro visitou hoje a 23ª Feira Nacional da Soja
Jair Bolsonaro visitou hoje a 23ª Feira Nacional da Soja Foto: TV Brasil

O presidente visitou as colheitadeiras usadas nas lavouras. A região noroeste do estado é pioneira na fabricação deste equipamento, sendo responsável por 60% de toda a produção no País. 

Discurso em Santa Rosa

Em discurso aos apoiadores, Bolsonaro voltou a negar que existam casos de corrupção no seu governo. Segundo ele, diversas acusações são feitas sem que as provas sejam apresentadas. "Hoje nós temos um governo que cada vez mais ganha respeito da sua população, porque a verdade para nós está em primeiro lugar. Temos um governo que acusam, mas nada provam sobre corrupção", disse.

Ainda no discurso para os ruralistas, Bolsonaro também voltou a afirmar que a segurança do País é garantida pelas Forças Armadas e por aqueles que compram suas próprias armas. "Sempre digo que o povo armado jamais será escravizado. Esse governo não teme, pelo contrário, fica feliz quando cidadãos de bem buscam comprar arma de fogo", informou.

O presidente visitou estandes, tirou fotos com participantes e foi ovacionado com um buzinaço de tratores, colheitadeiras e caminhões.

Passeio de moto na cidade

Pouco antes da chegada ao local do evento, Bolsonaro seguiu de moto por algumas ruas da cidade de Santa Rosa. Durante o trajeto, acenou para apoiadores e chegou a descer para tirar fotos e cumprimentar a população que o acompanhava.

O passeio foi transmitido ao vivo pelo presidente da República nas redes sociais, bem como pelo ex-ministro Onyx Lorenzoni, deputado (PL-RS), pré-candidato ao governo do Estado. O presidente agradeceu a companhia dos motociclistas e disse, num breve discurso, que houve "um festival de imagens fantástico".

Feira

A Fenasoja recebeu, em nove dias de evento, mais de 200 mil visitantes e espera mais 80 mil pessoas até o encerramento, neste domingo (8). A expectativa é uma movimentação de R$ 1 bilhão em negócios, incluindo contratos que podem ser fechados mesmo quando a feira acabar.

Importante polo do agronegócio brasileiro, Santa Rosa foi a primeira cidade do país a fazer o cultivo comercial da soja em 1924.

Horst Daltro Steglich, agricultor, tem 74 anos e vive do campo desde criança. Ele utiliza, em sua fazenda, tecnologia de ponta e aposta na agricultura de precisão. Steglich disse que veio para a Fenasoja em busca de inovação para as suas lavouras de soja e de milho.

"Se nós compararmos 1950, a década adiante, 70, 80, houve uma grande evolução. Mas, hoje, a tecnologia é tão importante e necessária para que o agricultor se adapte, senão ele não vai acompanhar, principalmente no setor produtivo", disse durante visita aos expositores.

O evento também marcou o encerramento da colheita da soja em todo o país. Para o presidente da Fenasoja, Elias Dallalba, o desempenho da safra foi satisfatório. "Mesmo essa nossa região do Rio Grande do Sul tendo uma seca muito forte, a gente perdeu quase 95% da nossa produção de soja, o restante do país se manteve com altos números. O Brasil novamente vai ter um recorde de produção, vamos superar o ano passado e novamente o Brasil será o maior produtor de soja do mundo", declarou.

De acordo com Dellalba, a Fenasoja surgiu em 1966 e se tornou referência no agronegócio,  especialmente pela característica da região, com agricultura focada em pequenas e médias propriedades. A média de área por família não passa de 18 hectares no noroeste do estado.

Além disso, a Fenasoja tem um diferencial. "Aqui, durante o dia, a gente faz negócios e, à noite, comemora com bons shows nacionais. A gente gosta de trabalhar e comemorar os resultados", disse.

Gostou desta matéria? Compartilhe!
Encontrou erro? Avise a redação.
Publicidade
Matérias relacionadas

Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.