Publicidade
Botão de Assistente virtual
Notícias | País EM ENTREVISTA

Bolsonaro diz que apoiadores farão novo ato no 7 de Setembro

Presidente disse nesta terça-feira (7), que seus apoiadores já organizam uma nova manifestação para o Dia da Independência com o objetivo de "sensibilizar o Judiciário"

Por Estadão Conteúdo
Publicado em: 07.06.2022 às 21:23

O presidente Jair Bolsonaro (PL) disse na terça-feira (7), que seus apoiadores já organizam uma nova manifestação para o 7 de Setembro com o objetivo de "sensibilizar o Judiciário". Neste ano, a menos de um mês do primeiro turno das eleições, será celebrado o bicentenário da independência do Brasil. "Está sendo organizado, por exemplo, um 7 de Setembro, onde a presença do povo dando uma demonstração de que lado eles estão. Eles estão do lado da ordem, do lado da lei, do lado da ética, da Constituição, da democracia. É isso que eles querem", afirmou o presidente em entrevista ao SBT News.

Presidente disse nesta terça-feira (7), que seus apoiadores já organizam uma nova manifestação para o Dia da Independência com o objetivo de "sensibilizar o Judiciário"
Presidente disse nesta terça-feira (7), que seus apoiadores já organizam uma nova manifestação para o Dia da Independência com o objetivo de "sensibilizar o Judiciário" Foto: Agência Brasil
No ano passado, a data cívica representou um dos momentos mais tensos do governo Bolsonaro. Ao discursar nos atos de Brasília e de São Paulo, o presidente chamou o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Alexandre de Moraes de "canalha" e ameaçou descumprir decisões da Corte. Após forte reação nos meios político e jurídico, Bolsonaro chamou o ex-presidente Michel Temer a Brasília para acalmar os ânimos. Após uma conversa por telefone, Bolsonaro publicou uma Carta à Nação na qual recuou e fez até elogio a Moraes.

Na entrevista desta terça, no entanto, Bolsonaro afirmou que Moraes não cumpriu o acordo supostamente firmado entre eles naquela ocasião. "Estava eu, Michel Temer e um telefone celular na minha frente. Ligamos para Alexandre de Moraes e conversamos três vezes com ele. E combinamos certas coisas para assinar aquela carta. Ele não cumpriu nenhum dos itens que combinei com ele", disse ele, que não quis informar os termos do suposto acerto.

Após a declaração de Bolsonaro, Temer divulgou nota na qual nega que tenha havido "condicionantes". "Tenho o dever de esclarecer que fui a Brasília naquela oportunidade com o objetivo de ajudar a pacificar o País e restabelecer o imperativo constitucional da harmonia entre os Poderes", afirmou.

"As conversas se desenvolveram em alto nível como cabia a uma pauta de defesa da democracia. Não houve condicionantes, e nem deveria haver, pois tratávamos ali de fazer um gesto conjunto de boa vontade e grandeza entre dois Poderes do Estado brasileiro".

FACHIN

Em mais de uma hora de entrevista, Bolsonaro reiterou ataques que tem feito há meses aos ministros Luís Roberto Barroso e Edson Fachin, além de Moraes. "Essas pessoas abusam porque querem minar a nossa candidatura para facilitar o outro lado", afirmou. Bolsonaro disse que "não tem cabimento" o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) ser presidido por Fachin, e que o ministro deveria se declarar suspeito.

Gostou desta matéria? Compartilhe!
Encontrou erro? Avise a redação.
Publicidade
Matérias relacionadas

Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.