Publicidade
Notícias | Região Segurança

"Quem tem filho, tem medo", desabafa morador de Canoas sobre tentativa de sequestro

Liderança comunitária no bairro Olaria, Marcelo Casser de Oliveira aponta que pais estão deixando de levar as crianças para a escola devido ao caso que quase terminou no rapto de um menino na semana passada

Por Leandro Domingos
Última atualização: 02.12.2019 às 20:09

Brigada Militar (BM) garante que policiamento ostensivo foi reforçado no bairro Foto: BRIGADA MILITAR/DIVULGAÇÃO
Por conta da reportagem sobre um HB20 que teria tentado sequestrar uma criança na semana passada, o Diário de Canoas recebeu o retorno de leitores que também são moradores do bairro Olaria. Um deles é o Marcelo Casser de Oliveira. O metalúrgico de 40 anos é uma liderança no bairro. Ele disse que a preocupação depois do que aconteceu é muito grande. "A gente não tem receio só de HB20. Qualquer carro que passa devagarzinho a gente suspeita", diz. "Quem tem filho, tem muito medo depois do que aconteceu."

Entenda o caso

De acordo com o morador, a tentativa de sequestro aconteceu quando um HB20 branco encostou próximo a uma dona de casa e seu filho de aproximadamente 6 anos. Um homem teria saltado da porta traseira do carro e tentou agarrar a criança, que conseguiu fugir até um mercadinho. "Isso foi coisa muito séria e todo mundo no bairro está sabendo", observa. "A gente sabe inclusive que há pais que não estão levando as crianças na escola por medo. Mexeu com a cabeça de todo o mundo."


Sequestro e morte de Eduarda permanece aberto

A Polícia Civil encara com muita seriedade qualquer caso de tentativa de sequestro denunciado. Responsável pelo Departamento Estadual da Criança e do Adolescente (Deca), a delegada Sabrina Dóris Teixeira apura a mais complexa investigação recente de sequestro e morte de uma criança. Foi em outubro do ano passado que Eduarda Herrera de Mello, 9 anos, foi raptada na frente de casa. A criança seria encontrada morta no dia seguinte, às margens da RS-118, em Alvorada. Ninguém foi preso pelo crime até hoje. "O caso continua aberto e não vamos descansar enquanto não levarmos o responsável à cadeia", garante a delegada, que diz ser importante averiguar qualquer denúncia. "Tem que levar muito a sério."

Em tempo, o caso em Canoas também será apurado pela Civil, no caso a Delegacia de Proteção à Criança e ao Adolescente (DPCA).


Brigada garante que reforçou o policiamento

Uma preocupação por parte dos moradores do Olaria é que o bairro faz ligação com Esteio e Cachoeirinha, o que torna quem vive na área "presa" de bandidos que vem de fora. A Brigada Militar (BM), entretanto, garante que o policiamento ostensivo foi reforçado no local. "Hoje posso afirmar que a circulação de homens e viaturas no Olaria dobrou", avisa o comandante do 15º Batalhão da Polícia Militar (BPM), o coronel Jorge Dirceu Filho.


Quer receber notícias como esta e muitas outras diretamente em seu e-mail? Clique aqui e inscreva-se gratuitamente na nossa newsletter.

Gostou desta matéria? Compartilhe!
Encontrou erro? Avise a redação.
Publicidade

Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.