Publicidade
Notícias | Região Insegurança

Escola de Novo Hamburgo é arrombada seis vezes em oito dias

No Colégio Estadual Vila Becker, criminosos já levaram 17 ventiladores e até torneiras do laboratório de ciências; escola em Montenegro sofre com o mesmo problema

Por Joceline Silveira
Publicado em: 20.01.2021 às 19:08 Última atualização: 21.01.2021 às 06:56

Dezessete ventiladores foram levados do Colégio Vila Becker Foto: Inézio Machado/GES
O Colégio Estadual Vila Becker, no bairro Operário, em Novo Hamburgo, foi arrombado seis vezes em oito dias. O mais recente foi registrado na noite da última terça-feira (19), segundo a direção da escola. Os criminosos já levaram 17 ventiladores, um aparelho de ar-condicionado e o motor de dois bebedores que haviam sido adquiridos no final de 2020.

O primeiro crime foi descoberto pela diretora da instituição de ensino, Bernadete Flamia Fasolo, logo ao chegar para trabalhar no início da manhã do dia 12. "De lá pra cá, eles invadem todas as noites e fazem um 'arrastão'. Não sabemos mais o que fazer. Desta vez, até as torneiras das pias do laboratório de ciências eles levaram, das onze eles roubaram onze", afirma Bernadete, que contabilizava nesta quarta-feira (20) os estragos na última invasão.

Em Montenegro, no Vale do Caí, outra escola sofre com o mesmo problema. Desde agosto de 2020, o Colégio Estadual Dr. Paulo Ribeiro Campos também vem sofrendo com arrombamentos. Em cinco meses, cinco furtos já ocorreram. O último ataque aconteceu na madrugada do dia 14 de janeiro, quando foram furtados os cabos elétricos da subestação da escola.

"Registramos todos os arrombamentos e os boletins de ocorrência policial foram encaminhados à Coordenadoria Regional de Educação (2º CRE). A mesma encaminha à Secretaria de Estado da Educação, mas sem retorno. Este último furto deixou a escola totalmente sem luz, impossibilitando o atendimento à comunidade escolar, em pleno período de rematrículas", revela o diretor da instituição, Luís Carlos Hummes.

Secretaria estadual se posiciona

A Secretaria Estadual de Educação informa que quando uma escola é alvo de arrombamento ou furto e o valor para sanar o dano é de até R$ 33 mil, em caso de obras; e até R$ 17,6 mil, em caso de compras, a instituição de ensino deve utilizar a verba oriunda da autonomia financeira para fazer a reposição. Se o valor exceder estes limites, a escola comunica a CRE, que abre processo para realizar a recuperação da avaria.

A Brigada Militar foi procurada para se manifestar sobre rondas e reforço na segurança nas escolas mencionadas, mas não se posicionou até o momento.

 


Receba notícias diretamente em seu e-mail! Clique aqui e inscreva-se gratuitamente na nossa newsletter.

Gostou desta matéria? Compartilhe!
Encontrou erro? Avise a redação.
Publicidade
Matérias relacionadas

Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.