Publicidade
Notícias | Região Alerta

Dia das Mães: especialista recomenda cautela nas celebrações de domingo

Relaxamento prematuro de medidas preventivas pode acelerar o crescimento da doença

Por Joceline Silveira
Publicado em: 07.05.2021 às 03:00 Última atualização: 07.05.2021 às 10:29

Segundo Dia das Mães em meio à pandemia exige cautela Foto: AdobeStock

Pelo segundo ano seguido, o Dia das Mães ocorrerá na pandemia da Covid-19. A segunda melhor data comercial do País - atrás apenas do Natal - chega em um momento adverso. Apesar da desaceleração nas taxas de internações em leitos de UTI Covid no RS, o professor Matheus Nunes Weber, do mestrado em Virologia da Universidade Feevale, avalia que não é o momento de conceder flexibilizações, pois os números ainda são altos.

"Por mais que tenha ocorrido uma discreta redução em novos casos e taxas de ocupação hospitalar nas últimas semanas, os números ainda são altos. Soma-se a isso o fato de hoje no RS predominarem as variantes P.1 e P.2. Além disso, basta observar que o grande aumento nos índices de infecção esse ano, que emergiu entre fevereiro e durou até abril, foi posterior a eventos familiares como Natal, ano-novo e mesmo o carnaval", recorda.

A opinião do especialista vai ao encontro de um estudo que aponta o relaxamento prematuro das restrições como fator prejudicial para o combate do coronavírus. A afirmação é de um grupo de pesquisadores que monitora as ações estaduais desde o início da pandemia. Para eles, o relaxamento prematuro de medidas preventivas pode acelerar o crescimento da doença.

"Infelizmente, na situação de pandemia em que nos encontramos, encontros familiares com pessoas que não residem no mesmo endereço representam um grande risco de contaminação", afirma Weber.

Cuidar também mostra afeto

A psicóloga Michele Terres Trindade sugere que as pessoas evitem reuniões familiares em 2021. Segundo ela, embora cada um reaja de maneira particular, ajuda ter em mente a ideia de que seguir as restrições indicadas é, por si, uma demonstração de cuidado.

"As pessoas estão se questionando desde o início da pandemia sobre o que vale a pena. Pelo que vale a pena estar vivo? Existem coisas pelas quais vai valer tanto a pena que as pessoas não vão deixar de fazer. Ir ou não ir ver a mãe no Dia das Mães é só um comportamento, depende de qual é a função que você tem na vida. Neste Dia das Mães não ir visitá-las é um ato de cuidado, de afeto", reflete.

Para matar a saudade e não deixar a data passar em branco, vale até a tecnologia. "A gente sabe que não é a mesma coisa, mas todo mundo tem que fazer um sacrifício. Você pode escrever um texto, ligar, fazer videochamada. Acho que ela vai se emocionar do mesmo jeito. Alternativas", diz.

Confraternização segura

O ideal, seguindo a Organização Mundial da Saúde (OMS), é seguir com o isolamento e distanciamento. Porém, neste domingo, muitos reencontrarão a família para comemorar o Dia das Mães. Caso isso ocorra, cuidados como utilização de máscara, manutenção de distância de pelo menos 2 metros, não compartilhar copos, garfos, facas e colheres devem ser tomados.

"Além disso, deve-se manter o ambiente arejado, com janelas abertas, não sentar todo mundo à mesa no mesmo instante e, de preferência, juntar-se para a refeição em grupos pequenos e compostos por pessoas que residam juntas", orienta Weber.


Receba notícias diretamente em seu e-mail! Clique aqui e inscreva-se gratuitamente na nossa newsletter.

Gostou desta matéria? Compartilhe!
Encontrou erro? Avise a redação.
Publicidade
Matérias relacionadas

Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.