Publicidade
Botão de Assistente virtual
Notícias | Região GOLPE DOS NUDES

Mulher suspeita de se passar por mãe de suposta vítima de pedofilia em golpe é presa em Novo Hamburgo

Outras duas suspeitas de envolvimento no golpe dos nudes foram presas temporariamente nesta terça-feira na região

Publicado em: 23.11.2021 às 10:43 Última atualização: 23.11.2021 às 12:09

Três mulheres suspeitas de envolvimento no chamado golpe dos nudes foram presas termporariamente em uma operação na manhã desta terça-feira (23). Duas prisões foram em Novo Hamburgo, e uma, em Farroupilha. Conforme a Polícia Civil, uma das presas em Novo Hamburgo teria gravado um vídeo se passando por mãe de uma adolescente que teria sido vítima de pedofilia e ameaçando denunciar o suposto abusador à Polícia.

"Peguei o telefone da minha filha, e essas 'porcaria' aqui. O que tu 'tá' pensando, seu pedófilo, seu doente? Onde já se viu fazer uma coisa dessas com a minha menina? Minha menina tem 13 anos, é só uma criança", diz a mulher, em trecho do vídeo.

Suspeitas de envolvimento no golpe dos nudes são presas em operação no RS
Suspeitas de envolvimento no golpe dos nudes são presas em operação no RS Foto: Polícia Civil

Para aplicar o golpe, criminosos criam perfis falsos em redes sociais, em que se passam por jovens, buscando atrair homens interessados em trocar fotos íntimas pela Internet. Depois, revelam que a menina é, na verdade, uma adolescente, e passam a fazer ameaças.

A gravação da suposta mãe da menina é usada por golpistas de todo o País para convencer o suposto abusador a depositar quantias em dinheiro. Em troca, os criminosos, que se passam por familiares e, até mesmo, por policiais, prometem "abafar o caso".

"A gente pediu a prisão temporária justamente para confirmar se é ela mesmo que aparece nos vídeos. Uma recebeu os valores referentes aos depósitos dos golpes, e a outra a gente ainda está apurando a participação dela", explica o delegado André Anicet, titular da Delegacia de Repressão aos Crimes Informáticos do Departamento Estadual de Investigações Criminais (Deic).

A investigação apurou que as suspeitas que gravavam os vídeos colocavam disfarces, visando ao não reconhecimento por parte das autoridades. A Perícia irá confirmar se as presas tratam-se das mesmas pessoas que aparecem nos vídeos usados no golpe.

Operação Sextorsion

Esta foi mais uma etapa da operação estadual Sextorsion, da Polícia Civil, que busca combater crimes de extorsão, organização criminosa, lavagem de dinheiro, por meio do conhecido golpe de extorsão sexual. Além das três prisões, policiais cumpriram ainda 10 mandados de busca e apreensão, para dar sequência à investigação.

A ação, que também envolveu as cidades de Montenegro e Caxias do Sul, contou com apoio da Delegacia Regional de Caxias do Sul, da 1ª DP de Novo Hamburgo e demais delegacias especializadas do Deic.

O golpe

O crime consiste, inicialmente, com o envio de solicitações de amizade pelo Facebook de supostas mulheres jovens para homens, geralmente de meia idade. Num segundo momento, via WhatsApp, os golpistas compartilham fotos íntimas, que serão utilizadas na extorsão.

A vítima, então, passa a receber ligações dos supostos pais da menina e/ou de falsos policiais civis, que a acusam de pedofilia, sob a alegação de que as fotos são de uma criança ou adolescente. No golpe, os ditos “familiares” exigem valores para não denunciarem a vítima à Polícia ou para arquivar os supostos inquéritos, quando os criminosos se passam por delegados.

A Polícia Civil destaca que nenhum policial civil liga ou manda mensagens com exigência de qualquer tipo de valor para negociar cumprimento de mandados ou para deixar de cumprir mandados de prisão. Nesse caso, recomenda-se que a vítima procure a delegacia mais próxima de sua residência para o registro do boletim de ocorrência.

Gostou desta matéria? Compartilhe!
Encontrou erro? Avise a redação.
Publicidade
Matérias relacionadas

Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.