Publicidade
Botão de Assistente virtual
Notícias | Região PRIMEIRO JÚRI DE 2022

Três são condenados e um é absolvido pela morte de dono de pizzaria em Novo Hamburgo

Penas dos acusados variavam de 22 a 36 anos de prisão pelo assassinato do comerciante em 2016

Publicado em: 23.01.2022 às 16:09 Última atualização: 23.01.2022 às 16:49

O primeiro júri do ano em Novo Hamburgo terminou na noite de quinta-feira (20) com a condenação de três dos quatro acusados da morte do comerciante Leandro Krummenauer, 33 anos. Lázaro Feijó, 28, pegou 36 anos; Wesley de Oliveira, 25, 29 anos; e Ariel Passos, 24, 22 anos de reclusão. Jonathan da Silva, 24, foi absolvido. Dono de pizzaria, Leandro foi assassinado em julho de 2016 por suposta vingança, pois tinha matado um assaltante dois anos antes.

O Conselho de Sentença foi formado por sete jurados leigos, sorteados no dia do julgamento. O julgamento do proprietário da pizzaria foi o primeiro Tribunal do Júri desde as restrições decorrentes da Covid-19, em março do ano passado. Conforme a juíza da 1ª Vara Criminal de Novo Hamburgo, Angela Dumerque, foi permitido o ingresso de até 20 pessoas, com comprovante de vacinação. A prioridade é para parentes da vítima e acusados. Era a quinta data para julgamento do caso, agendada no dia 9 do mês passado. As outras quatro foram transferidas por causa da pandemia.

Assassinato aconteceu na Rua Tapes em julho de 2016
Assassinato aconteceu na Rua Tapes em julho de 2016 Foto: Arquivo/GES

Viúva disse não acreditar em vingança
Em depoimento no fórum, a viúva do comerciante declarou não acreditar que os tiros no marido tenham relação com o assalto e morte de ladrão dois anos antes na pizzaria. Para ela, não foi vingança. Ao mencionar que era confidente da vítima, disse que não tinha conhecimento de ameaças.

Gostou desta matéria? Compartilhe!
Encontrou erro? Avise a redação.
Publicidade
Matérias relacionadas

Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.