Publicidade
Botão de Assistente virtual
Notícias | Região MAIS VÍTIMAS

Morte por dengue em Dois Irmãos é confirmada pelo Estado

Outras duas mortes pela doença em outras cidades também foram confirmadas. Total chega a oito neste ano

Publicado em: 24.04.2022 às 22:25

Foram confirmados mais três óbitos por dengue no Estado. Total com esses chega a oito mortes no ano. As últimas mortes confirmadas aconteceram com moradores de Dois Irmãos, Horizontina (segundo ocorrido na cidade) e Boa Vista do Buricá. Antes desses, já haviam sido confirmados óbitos em residentes de Igrejinha, Chapada, Cristal do Sul, Horizontina e Jaboticaba.

Aedes aegypti
Aedes aegypti Foto: Arquivo-GES

No ano passado, ao todo, o Rio Grande do Sul registrou 11 óbitos pela doença. Em 2020, foram seis. A Secretaria da Saúde (SES) anunciou nesta semana que o Rio Grande do Sul está em alerta máximo contra a doença, que já registra mais de 10 mil casos.

Cidades da região entre as que mais tem casos

Na comparação com o mesmo período do ano passado (primeiras 15 semanas do ano), 2022 já tem mais do que o dobro do número de casos autóctones confirmados (quando contaminação acontece dentro do RS). Foram 3.906 casos ano passado contra 10.536 este ano. Esse ano registrou ainda mais 1,9 mil casos importados, quando a pessoa reside no RS mas a infecção pela doença ocorreu em outro estado.

Dos casos autóctones confirmados este ano, 61% estão concentrados em oito cidades, quatro delas na região conforme dados oficiais da SES: Porto Alegre (1.504 casos), Lajeado (1.215), Parobé (885), Igrejinha (801), Rodeio Bonito (716), Arroio do Meio (495), Dois Irmãos (475) e Estância Velha (380). O dado também é reflexo da alta testagem realizada nos município.

Os dados levantados pelo Estado foram publicados na manhã de sábado, 23)

Infestação em 89% das cidades gaúchas

O Rio Grande do Sul possui 442 municípios considerados infestado pelo Aedes aegypti. É o maior número de cidades nessa situação na série histórica do monitoramento, realizado desde 2000, conforme a Secretaria de Saúde.

O expressivo número de casos e a larga distribuição do inseto pelo território gaúcho fez a SES a reforçar junto a população as medidas de prevenção. A principal ação é a eliminação de locais com água parada, que servem de pontos para o desenvolvimento das larvas do mosquito. Essa proliferação acontece em maior volume nesta época do ano, que alia temperaturas altas com chuvas mais recorrentes.

 

 

Gostou desta matéria? Compartilhe!
Encontrou erro? Avise a redação.
Publicidade
Matérias relacionadas

Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.